Negócio

Petrobras avalia ajuste em plano de negócios após queda do petróleo, diz fonte


BiodieselBR.com - 18 mar 2020 - 13:46

A Petrobras avaliará a possibilidade de ajustes de curto prazo no seu plano negócios, que inclui investimentos e desinvestimentos para um período de cinco anos, enquanto a crise gerada pelo coronavírus e uma guerra de preços de petróleo declarada por sauditas derrubam as cotações da commodity para mínimas desde 2016.

"Vamos avaliar a necessidade de ajustes no plano no curto prazo, mas no médio prazo achamos que a situação se normaliza", disse uma fonte da companhia, na condição de anonimato.


Para a pessoa, o cenário ainda é incerto, e a empresa trabalha até mesmo com uma possibilidade de recuperação nos preços do petróleo, ao final do ano.

A cotação da commodity já caiu mais de 50% neste ano, e o Brent fechou nesta terça-feira abaixo de US$ 30 dólares o barril pela primeira vez desde janeiro de 2016.

"O Brent deve se manter em baixa enquanto durar a crise. A demanda caiu e a Arábia Saudita aumentou a oferta", disse a fonte.

Contudo, a Petrobras entende que há uma possibilidade de retomada nos preços, se algo mudar na guerra de cotações entre Arábia Saudita e Rússia.

"Na nossa avaliação, o petróleo volta ao patamar de US$ 50-60 até o final do ano. [Com] aumento da demanda e corte da produção (...) rapidinho sobe", disse.

Com relação ao plano de negócios, disse a fonte, "alguns marcos podem ser postergados", enquanto o mundo atravessa a crise, "mas os trabalhos continuam, a vida segue".

O plano da Petrobras prevê desinvestimentos entre US$ 20 bilhões a US$ 30 bilhões para o período 2020-2024, tendo a maior concentração nos anos de 2020 e 2021, quando a estatal planeja vender oito refinarias.

Com relação a investimentos, a Petrobras aprovou no final do ano passado US$ 75,7 bilhões dentro do plano para o período de 2020 a 2024, com redução de 10% ante o programa anterior.

A maior parte dos aportes está prevista em Exploração e Produção.

Para este ano, considerando a média anual projetada no plano, só o segmento de Exploração da Petrobras poderia receber aportes de US$ 2,3 bilhões, mas especialistas da Wood Mackenzie disseram à Reuters esperar uma redução diante da derrocada dos preços.

No país, considerando todas as empresas, deve haver um corte de US$ 300 milhões a US$ 600 milhões em investimentos previstos para exploração de petróleo em 2020, segundo a consultoria.

Antes do colapso dos preços, a Wood Mackenzie previa para este ano aportes de 3 bilhões de dólares no Brasil, incluindo gastos de outras petroleiras, como a anglo-holandesa Shell, da norueguesa Equinor, dentre outras.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente.