PUBLICIDADE
cremer cremer
Negócio

Opep mantém previsão de alta na demanda global por petróleo em 4,2 milhões de bpd


Fábio Rodrigues - 11 fev 2022 - 09:02

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) segue prevendo que a demanda global por petróleo avançará 4,2 milhões de barris por dia (bpd) em 2022, para um total de 100,8 milhões de bpd, segundo relatório mensal publicado nesta quinta-feira, 10.

Para o resultado de 2021, o cartel elevou levemente sua estimativa de avanço na demanda global, em 17 mil bpd, a 5,7 milhões de bpd. Como resultado, calcula-se que o consumo no ano passado ficou em 96,6 milhões de bpd.

No documento, a Opep avalia que os efeitos positivos de políticas fiscais e monetárias adotadas em países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) devem "mais do que compensar" o impacto da variante Ômicron do novo coronavírus na demanda por petróleo.

Fora do grupo

A Opep também manteve sua previsão para o aumento da oferta de petróleo entre países fora do grupo em 2022, em 3 milhões de bpd, segundo relatório mensal publicado nesta quinta-feira. Com isso, espera-se que a oferta alcance 66,6 milhões de bpd este ano.

Os países que devem mais contribuir para o incremento da oferta em 2022 são EUA e Rússia, seguidos por Brasil, Canadá, Casaquistão, Noruega e Guiana, diz a Opep.

Para 2021, a Opep reduziu sua estimativa de acréscimo da oferta, para 600 mil bpd, levando a produção total a 63,6 milhões de bpd.

Ainda no relatório, a Opep informa que sua produção cresceu 60 mil bpd em janeiro ante dezembro, para uma média de 27,98 milhões de bpd, de acordo com fontes secundárias.

PIB global

A Opep ainda reiterou sua projeção de alta do Produto Interno Bruto (PIB) global em 2022, em 4,2%, segundo documento mensal publicado nesta quinta-feira. Já para 2021, o cartel revisou ligeiramente para cima sua estimativa de alta do PIB global, de 5,5% para 5,6%.

A Opep também confirmou suas projeções de crescimento este ano para EUA (4%), zona do euro (3,9%) e China (5,6%).

As previsões, no entanto, continuam sujeitas às incertezas da pandemia de covid-19, como a disseminação de variantes e a velocidade da vacinação contra a doença, ressaltou a Opep.