Negócio

Mubadala cria empresa para operar refinaria comprada da Petrobras na Bahia


Valor Econômico - 02 set 2021 - 08:13

O fundo soberano Mubadala, de Abu Dhabi, acaba de criar a Acelen, empresa que vai fazer a gestão e operação da refinaria de petróleo Landulpho Alves (RLAM), adquirida da Petrobras em março. O ativo foi comprado por US$ 1,65 bilhão e a conclusão da operação está na fase final, conforme informou a empresa.

De acordo com comunicado da Acelen, o processo “está sujeito a algumas condições precedentes”.

Situada em Mataripe — São Francisco do Conde, na Bahia —, a RLAM foi a primeira refinaria nacional erguida no país, com início de operações em setembro de 1950. Passou por diversas atualizações operacionais. A refinaria produz GLP, gasolina, diesel e nafta petroquímica, entre outros produtos.

Além das instalações em Mataripe, a RLAM conta com terminais de abastecimento e oleodutos nos municípios de Madre de Deus, Candeias, Jequié e Itabuna.

A Mubadala Capital, que controla a Acelen, é a subsidiária de gestão de ativos da Mubadala Investment Company, investidor soberano líder global com sede em Abu Dhabi. Além de gerir seu próprio portfólio de investimentos, a subsidiária administra US$ 9 bilhões de capital de terceiros, de investidores institucionais, incluindo um fundo no Brasil, três fundos de private equity, dois fundos de venture capital em estágio inicial e um fundo público.

Segundo a nota, uma das premissas da empresa será o abastecimento regional de derivados de petróleo. Além disso, a Acelen pretende maximizar o uso dos ativos da refinaria, investindo em projetos de expansão e modernização.

O novo nome e a nova marca foram criados pelo escritório de design Keenwork.

Ivo Ribeiro – Valor Econômico

Tags: Refinarias