Negócio

Goldman Sachs vê petróleo a atingir os 80 dólares por barril ainda este ano


Jornal Econômico - 25 mai 2021 - 10:05

Para o banco norte-americano, nem o esperado aumento da produção vindo do Irá impedirá esta tendência, visto que a expectativa passa por ajustes entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) que permitam a contenção dos efeitos da estratégia iraniana no mercado global.

O petróleo deverá manter a sua recuperação até atingir os US$ 80 por barril no último trimestre deste ano, antecipa a Goldman Sachs, que considera que o cenário de evolução está subavaliado, mesmo contando com a mais que provável retoma da produção iraniana.

O banco norte-americano antecipa que a recuperação da procura mundial vá ser mais forte do que a maior parte dos analistas preveem, justificando a expectativa com um programa de vacinação ágil e eficiente que resultará numa retoma econômica global mais forte do que inicialmente previsto.

“A expectativa de subida dos preços do petróleo permanece intacta, dado o grande aumento da procura na vacinação e a oferta inelástica do bem”, lê-se numa nota da Goldman Sachs, citada pela agência Reuters. “A mobilidade nos EUA e na Europa está a acelerar rapidamente, com o aumento da vacinação, o fim dos confinamentos e a retoma da atividade industrial e de carga”, continua.

O departamento de análise financeira do banco antecipa um aumento da procura de 4,6 milhões de barris por dia, em média, até ao final do ano, com grande parte do aumento a ocorrer nos próximos três meses.

Simultaneamente, a preocupação dos mercados com a retoma da produção iraniana foi de pouca duração, dada a expectativa de que não surjam novidades de maior relativamente ao acordo nuclear para o país. O Irã tem estado sob sanções internacionais que limitam sua capacidade de produzir e exportar.

Por outro lado, quaisquer tentativas de aumento da produção vindas de Teerã serão compensadas pela Opep, antecipa a nota do banco, que tem colocado em prática cortes planeados do output de forma a impulsionar o preço do barril, depois deste ter chegado a valores negativos há pouco mais de um ano. Assim, o aumento decorrente da estratégia iraniana seria compensado pelo resto do cartel, contendo os efeitos no mercado global.

João Barros - Jornal Econômico

Tags: Opep Petróleo