Negócio

A negociação de biodiesel em 2022


MerX Carbon - Conteúdo Patrocinado - 17 nov 2021 - 09:47

O novo modelo de comercialização de biodiesel deve mesmo começar a funcionar no próximo mês. Apesar dos esforços e avisos vindos de praticamente todos os elos da cadeia de comercialização do biodiesel, o governo se mantém firme na ideia de fazer essa transição de forma brusca, custe o que custar. A guinada será dura para usinas e distribuidoras, que têm que correr contra o tempo para conseguirem se organizar para precificar e contratar os volumes de biodiesel do próximo bimestre.

A maior parte do mercado está se preparando para solucionar o problema da venda de biodiesel. Várias empresas e pessoas que já trabalham como brokers de etanol e outros combustíveis querem transplantar seus modelos de atuação para o biodiesel. Mas o mercado de biodiesel é diferente dos de outros combustíveis por uma série de motivos.

O primeiro deles é que são poucas usinas. O setor conta com menos de 45 unidades aptas a vender e algumas delas são de um mesmo grupo empresarial, o que, na prática, diminui o número de possíveis vendedores para 33. Essa é a quantidade de contatos que uma distribuidora tem que ter para conversar com todo o setor produtivo.

Se a distribuidora tiver atuação regional, o número fica ainda menor.

O segundo motivo é que as usinas sabem quais são as distribuidoras que podem comprar delas. Depois de dezenas de leilões realizados via Petronect, as usinas têm a lista de quais foram as distribuidoras que compraram biodiesel delas.

Embora mais uma centena de distribuidoras participassem de cada leilões, uma usina grande vendia para algo entre 15 e 20 distribuidoras por leilão. A usina com a maior variedade compradores vendeu seu produto para 45 distribuidoras em 12 leilões. Usinas médias e pequenas venderam para menos de 10 distribuidoras por leilão.

Esses dois pontos mostram que as usinas e distribuidoras sabem quem são seus clientes e fornecedores. A função do broker no mercado de biodiesel não vai ser tão importante quanto as outras funções que a Petrobras exercia.

Como o mercado vai ser por contratos bimestrais e contratos de venda spot, é preciso gerenciar esses contratos. Uma usina pode ter vários contratos com uma distribuidora – um ou mais contratos com entrega naquele bimestre e outros tantos de venda spot – e cada carga de biodiesel que sair de uma usina precisará referenciar um contrato específico.

Além disso, será necessário fazer o controle das retiradas. A usina precisa ter um sistema que gerencie quantos horários ela tem para que receber os caminhões de suas compradoras e quais destes estão ocupados ou disponíveis. Já a distribuidora, por seu lado, vai ter que acessar o sistema de cada uma das usinas das quais tenha comprado biodiesel para ver quando pode ir lá retirar o produto.

Seria muito mais fácil se houvesse um sistema que fizesse todo esse trabalho de forma centralizada, conectando usinas e distribuidoras, gerenciando os contratos, performances de cada um deles e centralizando a gestão das entregas e retiradas.

E, de preferência, que fizesse tudo isso sem cobrar nada de usinas ou distribuidoras. Pois esse sistema existe!

Ele se chama MerX Carbon. É o único sistema que conta com o investimento e conhecimento de 20 anos de BiodieselBR.com no mercado de biodiesel.

E essa plataforma faz mais. Seu desenvolvimento partiu do princípio de que o encontro entre comprador e vendedor de biodiesel é um pedaço pequeno das necessidades do setor com o fim dos leilões. Ela facilita o acompanhamento do mercado com a finalidade de garantir o abastecimento e fornecer as informações técnicas necessárias para subsidiar os aumentos de mistura.

O MerX traz modalidades distintas de ofertas, o que garante maior flexibilidade para os interesses difusos de usinas e distribuidoras, permitindo a escolha do biodiesel com base na localização da usina, qualidade de atendimento, solidez do vendedor, CFPP e quaisquer outras características que os agentes do mercado possam considerar relevantes.

A negociação dos preços pode acontecer dentro da plataforma ou ser fechada fora dela, usando o sistema apenas para formalizar o negócio e aproveitar os demais benefícios oferecidos. Um contrato padrão pode ser cadastrado dentro do sistema e usado entre as partes sempre que uma nova venda for registrada, a assinatura é feita digitalmente e o contrato, então, passa a ser gerido pelo sistema.

As empresas que quiserem conectar o MerX ao seu sistema operacional já existente (ERP) podem fazê-lo.

Para a usina ainda há um benefício extra. Utilizando o MerX, a usina pode ter acesso a melhor ferramenta de certificação de área rural para o RenovaBio do mercado com capacidade para consultar dezenas de milhares de CARs em minutos.

Os interessados em conhecer mais a plataforma e as soluções que ela traz, entre em contato.

Guilherme Dominici
[email protected] 
(011) 944-581-100

Texto: BiodieselBR.com
Conteúdo patrocinado por MerX Carbon