PUBLICIDADE
Bio

Variedades de mamona atendem a diferentes necessidades


. - 28 set 2011 - 14:33 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Com o crescimento do mercado de biodiesel, a demanda por produtos tem sido superior à oferta. Isso faz com que novas culturas ganhem espaço, como é o caso da mamona. Com boa tolerância à seca, a cultura tem sido um dos investimentos da Petrobras, que instalou uma usina de produção de biodiesel a partir da oleaginosa no Estado da Bahia e passou a comercializar com os produtores da região. Segundo Máira Milani, pesquisadora da Embrapa Algodão, a principal vantagem da mamona é a boa tolerância à seca. Enquanto que outras culturas, como o milho e feijão, sofrem bastante com o período de estiagem, a cultura da mamona é mais resistente, pois tem a produção em ciclos.

A Petrobras tem feito alguns contratos de compra e venda com produtores de mamona da região. Segundo Máira, esses contratos são anuais e, através deles, a estatal compra a produção de mamona a partir de sementes de cultivares melhoradas distribuídas pela própria empresa.

"A Embrapa é a principal empresa que tem trabalhado com cultivares para a região Semiárida. Entre elas, estão a BRS Nordestina, a BRS Paraguaçu e a BRS Energia. A Nordestina e a Paraguaçu são cultivares de ciclo mais longo, indicadas para consórcio, de colheita e descasque manual. A produtividade média dessas variedades gira em torno de 1500kg por hectare" conta.



Já a Energia, de acordo com a pesquisadora, é uma cultivar de ciclo curto, em torno de 120 dias, indicada para cultivo em sucessão. Sua produtividade média é de, aproximadamente, 1800kg por hectare.

"Para a produção em consórcio com a mamona, as culturas mais indicadas são as rasteiras, já que ela sofre muito com o sombreamento. Nesse caso, o milho não é indicado, mas sim o feijão caupi e o amendoim. A principal vantagem do consórcio é conseguir produzir duas culturas simultaneamente e obter melhor condicionamento de solo. A desvantagem é não conseguir a mesma produtividade do cultivo convencional" diz ela.
 
Máira explica ainda que, no consórcio, a mamona deve ser plantada de 15 a 20 dias antes da cultura consorciada. Além disso, deve ser feito um bom controle de plantas daninhas, além dos demais cuidados comuns no cultivo convencional.

"A principal doença da mamona é o mofo cinzento. Na Região Nordeste, ela acontece em períodos mais úmidos, principalmente no Agreste. Já a principal praga da cultura, é o percevejo verde. No entanto, como não existem produtos químicos registrados para a cultura da mamona no Ministério da Agricultura, a técnica utilizada contra esses problemas é o plantio de escape" conta.

Para mais informações basta entrar em contato com a Embrapa Algodão através do número (83) 3182-4300.

Fonte: Portal Dia de Campo
Tags: Mamona