Bio

Vale vai testar B25 em locomotivas


BiodieselBR.com - 27 abr 2011 - 11:09 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:16

A megamineradora brasileira Vale está flertando com a ideia de usar B25 em sua frota de locomotivas. Considerando que a Vale é a maior consumidora de diesel do país, isso pode criar uma demanda adicional de milhões de litros por ano. A pista de que a empresa está, pelo menos pensando no assunto, vem do Diário Oficial da União (DOU) de ontem no qual foi publicada uma autorização para que a vale faça testes com a nova mistura.

Desde junho de 2009 a Vale vem sinalizando seu interesse em usar misturas de biodiesel maiores do que as determinadas pela ANP nas locomotivas e máquinas de mineração que fazem parte de seu Sistema Norte. O anúncio original informava que a empresa passaria a usar B20 a partir de 2014 o que – calculando sobre os dados de consumo do Sistema Norte em 2009 – geraria uma demanda de pelo menos 84 milhões de litros de biodiesel. Se a mistura adotada for mesmo o B25, esse número subiria para 105 milhões de litros de biodiesel.

De acordo com o texto publicado no DOU, o uso experimental com a nova mistura será feito durante um ano nas locomotivas da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) que cobre os 664 quilômetros entre Belo Horizonte (MG) e Vitória (ES). O consumo mensal será limitado a 800.000 litros.

Segundo o primeiro anúncio as misturas maiores de biodiesel seriam restritas ao Sistema Norte. No entanto a EFVM faz parte do Sistema Sudeste. Considerando o consumo global de diesel da Vale no Brasil, seriam necessários 276,5 milhões de litros de biodiesel para dar conta do uso de B25. A preferência pela EFVM pode ter relação com a facilidade em obter biodiesel das usinas produtoras.

A partir de 2014 esse biodiesel deverá ser produzido pela Biovale, subsidiária da mineradora que está desenvolvendo um dos mais ambiciosos projetos de plantio de palma de óleo em andamento no Pará. Com investimentos da ordem meio bilhão de dólares, a previsão é que a Biovale produza 500 mil toneladas de óleo de palma por ano – o bastante para garantir a autossuficiência da empresa na área de biodiesel.

Fábio Rodrigues - BiodieselBR.com