Bio

Neste Oil recebe "prêmio" de mais maligna


BiodieselBR.com - 15 abr 2011 - 07:34 - Última atualização em: 06 mar 2012 - 11:46

A gigante finlandesa dos combustíveis renováveis Neste Oil – que em março mês passado inaugurou em Cingapura a maior usina de biodiesel do planeta –, foi a grande “vencedora” da edição 2011 do Public Eye Award.

O Public Eye Award é uma antipremiação concedida anualmente para empresas responsáveis pelos ‘deslizes’ socioambientais mais graves do período. Embora o anúncio da ganhadora tenha sido feito em 28 de janeiro, a entrega do troféu aos representantes da empresa aconteceu só agora.

Segundo a organização do prêmio, o consumo de óleo de dendê pela Neste Oil para a produção de biodiesel foi um dos maiores responsáveis pelo rápido avanço das plantações de palma sobre as florestas tropicais nativas dos países do sudeste asiático– como a Indonésia, por exemplo. A maior fornecedora de óleo de dendê para a Neste Oil, a IOI Corporation, é acusada por organizações do terceiro setor de forjar documentos para obter licenças ambientais do governo da Indonésia.

Em larga medida, o governo brasileiro desenhou seu Programa de Produção Sustentável de Palma de Óleo tendo o desastre ambiental do sudeste asiático na cabeça. É por isso que o programa estipula que o a palma só pode ser plantada em áreas desmatadas antes de 2007, dessa forma o óleo de palma brasileiro chega ao mercado sem o passivo ambiental do produto asiático, pelo menos no planejamento.

A Neste recebeu 17 mil votos dos internautas superando uma concorrência que incluiu: a BP, responsável pelo derrame de milhões de barris de petróleo no Golfo do México; a Phillip Morris que tentou barrar judicialmente uma lei antitabaco no Uruguai; a Anglogold Ashanti cujas minas de ouro em Gana estão relacionadas à graves problemas de contaminação da água e violações dos direitos humanos; a fabricante de eletrônicos chinesa Foxconn cujas condições de trabalho degradantes levaram dezenas de operários ao suicídio; e a Axpo que adquire urânio de uma das minas mais contaminadas por radioatividade do mundo.

Em benefício da empresa é possível dizer que ela não se esquivou das críticas dos ativistas. O diretor de sustentabilidade da Companhia, Simo Honkanen, recebeu os representantes da organização do prêmio e lamentou a vitória. “Em nossa opinião isso não reflete a verdade. Somos uma das companhias mais responsáveis da ramo de energia”, afirmou à imprensa suíça durante a entrega do prêmio.

Fábio Rodrigues - BiodieselBR.com