PUBLICIDADE
Bio

Fórum do biodiesel em Esteio (RS) debateu vantagens do biocombustível


. - 01 set 2011 - 06:40 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

O Canal Rural promoveu, na tarde desta quarta, dia 31, durante a Expointer 2011, o I Fórum Interativo do Biodiesel – Alimentos, inclusão social e combate à pobreza. O seminário contou com a presença do presidente do Conselho Superior da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), Juan Diego Ferrés; com o coordenador do grupo interministerial do Biodiesel da Casa Civil, Rodrigo Rodrigues; o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel, Denílson Ferreira; o coordenador-geral de biocombustíveis no Ministério do Desenvolvimento Agrário, Marco Antônio Viana Leite; e com o diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia, Ricardo Dornelles.

A conferência debateu as vantagens da produção de biocombustíveis para o Brasil. De acordo com os palestrantes, além de benefícios econômicos, a cultura também gera ganhos ambientais, sociais e de segurança energética. Assim, o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB), desenvolvido pelo governo federal, é uma medida que vem contribuir para o desenvolvimento do país através de incentivos fiscais e assistência técnica.

"O PNPB abarca um conjunto de políticas públicas como desoneração tributária, financiamento industrial, desenvolvimento de novas tecnologias e inclusão de agricultores familiares na produção de energia" explicou Rodrigo Rodrigues. De acordo com o painelista, já registram-se 100 mil famílias produzindo cerca de 2,5 bilhões de litros de biocombustível ao ano.

Ricardo Dornelles explicou que os dois principais pontos que nortearam a criação do Programa foram a busca pela inclusão social e pela diminuição das desigualdades regionais do país, objetivos que ele considera que já estão se tornando realidade. "Mesmo com todos os contratempos, o Brasil já é o terceiro maior produtor de biocombustível do mundo" comemora.

Os debatedores também levantaram a necessidade de uma diversificação das culturas que servem de matéria-prima para a indústria. Produtos como a mamona, a palma (dendê), girassol, algodão, pinhão, amendoim e microalgas são pouco utilizadas para biocombustível. No Brasil, 80% do biodiesel é gerado a partir da soja.


Anne Ledur
Fonte: RURALBR