PUBLICIDADE
cremer
Bio

Audiência no congresso evidencia problemas do biodiesel


BiodieselBR.com - 29 jun 2011 - 10:31 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Ontem (dia 28) a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados realizou em Brasília (DF) uma audiência pública que reuniu representantes da cadeia do biodiesel para debater o tema: Políticas do Programa do Biodiesel. O encontrou foi uma iniciativa do deputado Cláudio Cajado (DEM-BA).

Segundo informações colhidas pela Agência Política Real, houve consenso entre o Deputado Cajado, a Fecombustíveis e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) de que ainda são necessários mais estudos antes de o governo federal dar sinal verde para novos aumentos na mistura obrigatória do biodiesel no óleo diesel fóssil.

Apenas a União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio) posicionou-se contra essa opinião. A entidade foi representada na audiência pelo presidente de seu Conselho Superior, Juan Diego Ferrés, que argumentou aos presentes que com a capacidade instalada da indústria brasileira de biodiesel e a produção de óleo de soja seria possível atender a demanda B10 imediatamente.

Segundo os participantes, o motivo para esperar um pouco mais para aumentar a mistura vem dos recentes transtornos causados pela adição de biodiesel.  O representante da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda Soares, relatou como os problemas com a formação e acúmulo de borras nos tanques e filtros dos postos de combustíveis se intensificaram desde a ampliação da mistura para os atuais 5% em janeiro de 2010. O ponto de vista da entidade sobre essa questão foi retratada na edição 2011 de seu Relatório Anual de Revenda de Combustíveis.

A superintendente de biocombustíveis e qualidade de produtos da ANP, Rosângela Araújo, informou que há “necessidade de aprimoramento dos estudos envolvendo misturas de óleo diesel e biodiesel com teores maiores”.

O deputado Cajado, responsável pela audiência pública, resumiu sua opinião dizendo que está “claro que existem problemas junto a produção, comercialização, (com) prejuízos e que (se) essa mistura for acrescida pode trazer novos prejuízos”. O deputado acredita que o tema deve ser mais estudado pelo governo federal antes da ampliação da mistura.

BiodieselBR
Com informações da Agência Política Real