Bio

[23º leilão] ComprasNet endurece combate aos robôs


BiodieselBR.com - 11 ago 2011 - 06:40 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Desde que começou a se popularizar, o uso de softwares para automatizar a disputa nos sistemas de licitação do governo – os chamados robôs – tem causado controvérsia. Embora não sejam ilegais, não falta quem reclame que eles ferem o princípio da isonomia. Diante da situação os responsáveis pelo ComprasNet vem endurecendo as medidas contra o uso dos robôs.

Desenvolvido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o portal ComprasNet oferece uma plataforma digital de leilões através da qual o governo federal pode realizar licitações e contratados de forma descomplicada e transparente. Desde que deixaram de ser presenciais em março de 2010, os leilões de biodiesel promovidos pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) são realizados por meio dessa ferramenta.

Um robô é basicamente um software que pode ser programado para acompanhar e cobrir as ofertas dos concorrentes até um limite pré-determinado. Isso tem dois efeitos. O primeiro é que os usuários desses programas ficam sempre um passo a frente da concorrência – os robôs são construídos para dar lances mais rápido do que um ser humano conseguiria. O segundo é que os robôs tendem a tornar as disputas mais acirradas e empurrar os preços para baixo. Além disso, os robôs geram muitos acessos ao sistema em pouco tempo o que pode sobrecarregar os servidores.

Por isso, desde que o número de reclamações começou a engrossar, os responsáveis pelo sistema tem procurado restringir o uso dessas ferramentas. Segundo o diretor de logística e serviços gerais do Ministério do Planejamento, Carlos Henrique Moreira, desde o começo de junho sua equipe começou a implantar um sistema de captchas para dificultar que os robôs tenham acesso a partes do portal. A ideia não é necessariamente impedir que os robôs tenham acesso ao sistema, mas assegurar que eles não consigam dar lances supervelozes.

“Essa medida das captchas começou a ser implantada dentro do sistema de compras. Toda vez que detectamos que os lances estão sendo dados mais rápido do que um humano conseguiria, exigimos que esse concorrente digite uma captcha. Com isso você melhorou um pouco a competitividade”, explica Moreira, acrescentando que outras partes do portal também passaram a ser protegidas quando ficou claro que os desenvolvedores dos robôs haviam começado a explorá-las para contornar as defesas. É o caso da página pública de acompanhamento dos lances dos leilões que vinha sendo usada pelos programas para monitorar os lances por baixo do radar.

O diretor sabe que está só ganhando tempo. “A gente vai sofisticando nossas defesas com o tempo, mas quem desenvolve esses robôs também vai. Não tem uma solução definitiva”, reconhece. Ele acrescenta que boa parte do esforço é feita simplesmente para reduzir a vantagem de quem tem um robô. “Os robôs não são ilegais, mas eles ferem o princípio constitucional da isonomia. Por isso, temos de ter mecanismo para garantir a competitividade porque foi ela que fez o governo economizar R$ 17 bilhões nos últimos cinco anos usando o ComprasNet”, defende.

O programador Igor Azevendo que desenvolve e vende esse tipo de software para a IDEngenharia garante que seu programa não foi desenhado para burlar o sistema de licitações. “Meu software faz sozinho as mesmas coisas que um usuário normal faria. Se ele pode enviar lances a cada dois segundos? Ele pode. Mas a ideia não é levar vantagem com isso”, assegura apontando que eles podem até mesmo melhorar o processo como um todo ao ajudar pessoas com limitações de movimento a participarem dos leilões em pé de igualdade.

Segundo ele, as captchas não estão parando seu programa uma vez que ele pode ser ajustado para agir dentro dos parâmetros aceitos pelo ComprasNet. “Acho que essa é uma resposta que o governo está dando para algumas pessoas que não veem esses softwares com bons olhos. Como eles não conhecem direto o funcionamento desses produtos, acho que as respostas são meio desencontradas”, diz.

Exemplo de captcha:
captcha.gif

CAPTCHA é um acrônimo da expressão "Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart" (teste de Turing público completamente automatizado para diferenciação entre computadores e humanos)

Fábio Rodrigues - BiodieselBR.com

Tags: Robô