Selo Combustível Social

Unitins capacita agricultores familiares para plantar oleaginosas


Surgiu - 17 abr 2015 - 13:45

Estudos desenvolvidos pela Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), apontam uma nova vertente na produção de grãos no Estado. Desta vez, o público alvo são pequenos produtores ou agricultores familiares para a comercialização de soja visando a produção de biodiesel.

No Tocantins, uma empresa localizada na região central do Estado já possui 24 agricultores familiares cadastrados para entrega de soja por meio do Selo Combustível Social do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) – iniciativa que garante benefícios para os produtores de biodiesel que comprem parte de sua matéria-prima da agricultura familiar.

De acordo com a empresa, para este ano, está prevista a comercialização de 90 mil toneladas de soja oriundas de pequenos produtores tocantinenses.

Segundo o pesquisador da Unitins, Tadeu Teixeira Júnior, várias atividades serão desenvolvidas visando a transferência de tecnologia e conhecimentos para esse público, como palestras, visitas a unidades demonstrativas, além de um circuito temático focado no melhoramento da cadeia produtiva de grãos. “Nosso objetivo é que as nossas pesquisas, nossos trabalhos, cheguem ao agricultor”, ressaltou. Ainda neste ano, será implantada uma unidade demonstrativa de soja em assentamentos em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins).

Novos negócios

O pequeno produtor José Poli – do município de Cristalândia, a 165 km de Palmas –, optou por investir no plantio de cerca de 80 hectares de sua propriedade, em parceria com seu irmão, Juraci Poli. De acordo com o produtor, esta é a segunda vez que eles investem no segmento de grãos, cuja colheita da safra já possui destinação à indústria de biocombustível. Para José Poli, o maior incentivo para o plantio foi o preço pago. “Além do valor ser maior, a proximidade com a indústria reduz gastos com transporte”, afirmou.

Já o pecuarista Gustavo Costa Lima, por meio de assistência técnica do Ruraltins, optou por realizar plantio de soja no município de Pium, a 181 km de Palmas. Segundo ele a meta é melhorar o solo para a reforma de 75 hectares pastagens em sua propriedade. A produção será vendida para usinas de biodiesel. “Vamos iniciar o plantio no final do ano, mas já estamos discutindo com a empresa sobre a comercialização de toda a safra”, afirmou.

De acordo com o analista de transferência de tecnologia da Embrapa, Cláudio França Barbosa, o cultivo necessita de planejamento que envolve análise de risco, técnico e comercial.

Segundo o analista, estudos realizados em pequenas propriedades apontaram que o plantio de soja tanto para a comercialização interna – visando a produção de biocombustível – quanto para comercialização no mercado externo. “Hoje, nós temos propriedades em que fizemos análises de risco de agricultores familiares e tivemos resultado positivo na análise de risco no cultivo de soja, em relação a outras culturas. O que tem se percebido é um aumento de área plantada e produtores interessados em plantar soja. Pelo ritmo que temos acompanhado é provável que o Tocantins ultrapasse o volume de produção do oeste baiano até 2016”, afirmou.

Números

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicam que a produção de grãos no Brasil da safra 2014/2015 está estimada em 200,7 milhões de toneladas; 3,6% a mais do que a última, quando foram colhidas 193,6 milhões.

Ainda de acordo com dados da Conab, o Tocantins é responsável por mais de 50% da produção de soja na região Norte do País

Com adaptação BiodieselBR.com