026

Biodiesel taxado e diesel incentivado


Edição de Dez 2011 / Jan 2012 - 15 dez 2011 - 14:42 - Última atualização em: 09 mar 2012 - 16:47

Como consumidor, fico feliz na hora que vejo o preço do diesel nos postos. Não importa se o petróleo está subindo no mercado internacional, o preço do diesel continua praticamente igual o ano todo. Mas confesso que essa felicidade se transforma em preocupação quando lembro que num passado recente o diesel também estava estável, mas muito acima da cotação internacional. Era um dos maiores preços de diesel do mundo. Essas situações opostas não são boas. Num momento a Petrobras ganha dinheiro à custa de uma margem altíssima e no outro perde, gerando adversidades e incertezas para os biocombustíveis.

Em 2010 foram importados 9,007 bilhões de litros de diesel a um custo total de US$ 5,13 bilhões. Até setembro de 2011 foram importados 6,6 bilhões de litros a um custo de U$ 5,32 bilhões, o que representa um preço médio de R$ 1,37 por litro, considerando uma cotação do dólar de R$1,70. O preço médio do diesel vendido pela Petrobras este ano ficou na casa de R$ 1,36. Mesmo desconsiderando as despesas da Petrobras e as margens de lucro, é possível ver que a venda de diesel não está sendo o melhor negócio.

No ano passado, cada barril de diesel importado custou em média US$ 88, enquanto em 2011 esse custo até setembro estava em US$ 119, o que representa um aumento de 35%. Esse aumento não foi repassado ao preço do diesel. Se apenas metade desse aumento de custo do diesel importado fosse repassado, a diferença de preço com o biodiesel seria pelo menos 23 centavos menor. Isso faria com que o preço do biodiesel ficasse apenas R$ 0,47 mais caro que o preço do diesel, considerado o preço médio dos lotes sem selo do último leilão.

O preço do diesel vinculado às políticas de governo pode ser interessante para controlar a inflação em determinado período, ou para financiar a exploração de energia em águas ultraprofundas, mas atrapalha o desenvolvimento de energias alternativas.

Com o preço do diesel mais próximo do preço internacional, haveria um aumento significativo do consumo de biodiesel. Isso porque várias empresas passariam a achar mais atrativo usar uma mistura maior em suas frotas, buscando o apelo ecológico dos biocombustíveis.

Apesar de o biodiesel ter muito mais qualidades que o diesel de petróleo, o preço será sempre um fator de comparação importante. Quanto maior a diferença, menor é a vontade de usar o combustível mais caro, neste caso o biodiesel. Na Alemanha, quando o B100 era subsidiado e tinha o mesmo valor que o diesel, seu consumo era alto. A partir do momento em que o subsídio acabou e o preço foi subindo, o consumo foi caindo no mesmo ritmo.

Aqui no Brasil está sendo feito o contrário. A Petrobras subsidia o diesel e enfraquece o crescimento da indústria de combustíveis renováveis. Essa inversão de valores pode um dia cobrar a conta e, dado o tamanho do mercado de energia líquida, a conta pode ser bem alta.

Univaldo Vedana é analista do setor de biodiesel