017

Entrevista: Antônio Iafelice


BiodieselBR.com - 29 jun 2010 - 07:30 - Última atualização em: 20 jan 2012 - 10:13
Antônio Iafelice, fundador e ex-presidente da Agrenco, quebra o silêncio e fala sobre sua intenção de voltar à companhia

Alice Duarte, de Curitiba

O empresário Antônio Iafelice, fundador e ex-presidente da Agrenco, é um veterano do agronegócio no Brasil. Começou trabalhando na década de 60 em indústrias de açúcar e álcool do grupo Zillo Lorenzetti, no interior de São Paulo. Foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e assumiu cargos executivos em tradings agrícolas e empresas processadoras de grãos, como Continental Grain e Ceval Alimentos. Há quase duas décadas, ele criou a trading Agrenco, com atuação na América do Sul, Europa e Ásia. Em 2007, aproveitando o bom momento do mercado, decidiu investir em biodiesel, construindo três grandes usinas em pontos estratégicos: Alto Araguaia (MT), Caarapó (MS) e Marialva (PR).

A empresa vinha caminhando bem. No final de 2007, a Agrenco conseguiu uma das maiores captações da história do agronegócio brasileiro no lançamento de suas ações na Bolsa de São Paulo. Iafelice falava na época em aposentadoria, mas antes queria ver sua empresa atingir faturamento anual de US$ 20 bilhões.

Mas o sonho durou pouco. O jogo se inverteu drasticamente em julho de 2008 por conta da Operação Influenza, da Polícia Federal. Acusado de lavagem de dinheiro, corrupção e outros crimes do colarinho branco, foi parar em prisão domiciliar. As ações da empresa despencaram depois do escândalo, levando ao processo de recuperação judicial.

Agora a Agrenco tenta se reerguer. Com o dinheiro da venda da usina de Marialva, a empresa está concluindo a de Alto Araguaia, prevista para operar em meados de junho. O inquérito da PF, por outro lado, continua aberto, mas a anulação de provas do processo beneficiou Iafelice e outros acusados. “Confio na Justiça”, limita-se a dizer sobre o caso. Acreditando nisso e nas boas condições de recuperação da Agrenco, ele vem tentando retornar à companhia, mas tem encontrado resistência dos acionistas e credores. Nesta entrevista ele diz o que pensa sobre o mercado de biodiesel, as políticas federais para o setor e os leilões da ANP.

Revista BiodieselBR Qual a sua relação atual com a Agrenco?
Antônio Iafelice
Pessoalmente e profissionalmente nenhuma, desde que tive que me afastar.

Você tem intenção de retornar à administração da Agrenco?
Antônio Iafelice
Ofereci meus serviços várias vezes, mas não fui aceito pela empresa, a qual tem condições de se recuperar se conseguir operar adequadamente seus ativos. Sou um profissional em busca de oportunidades para continuar prestando os meus serviços.

O impedimento para negociar as ações da empresa na Bolsa, após a punição da CVM, deixou os acionistas desconfiados. Por que a Agrenco ficou tanto tempo sem apresentar os balanços financeiros, sabendo que isso poderia levar ao congelamento dos negócios?
Antônio Iafelice
Não tenho a menor idéia.

A mais recente decisão sobre o inquérito da Polícia Federal foi considerada favorável ao senhor e aos demais acusados na Operação Influenza. Como está sendo conduzida sua estratégia de defesa nesse caso?
Antônio Iafelice
Confio na Justiça.

Como foram os dias seguintes à deflagração da Operação Influenza?
Antônio Iafelice
Foram dias duros, mas continuo confiando na Justiça.

O senhor foi um dos primeiros a apostar alto no mercado de biodiesel. Como avalia o ambiente para novos negócios atualmente?
Antônio Iafelice
Excepcional. O mundo precisa e paga por energia limpa. O Brasil precisa resolver o problema social de fixação do pequeno e médio produtor no campo, e temos que promover o crescimento econômico. Cada dólar investido na agricultura multiplica-se por 12 ou mais vezes na geração de valor na economia. Temos terras suficientes, áreas abertas de excelente qualidade e com índice pluviométrico adequado, então não temos que derrubar florestas. O Brasil pode facilmente atingir estes macro-objetivos e deve assumir essa liderança. Porém, com um programa claro, de longo prazo e bem definido, para que o capital possa ser investido com segurança. Há muito capital ocioso buscando alternativas seguras e oportunidades.