010

Verticalização: Distribuição


BiodieselBR.com - 30 abr 2007 - 13:00 - Última atualização em: 23 jan 2012 - 09:34


Distribuição

Uma outra possibilidade que está sendo igualmente explorada no Brasil é a da verticalização iniciada pela outra ponta do processo. Ou seja: empresas distribuidoras de combustíveis que apostam em começar a produção própria de biodiesel. Assim, distribuem seu próprio produto e saem ganhando duas vezes. Novamente, é o caso da indústria que se torna fornecedora de si mesma.

O vice-presidente da Ale- Sat Combustíveis, Paulo Moraes, sabe o que isso significa. A empresa, especializada na distribuição, foi a primeira a comercializar B2 no mercado brasileiro. Moraes é também acionista do grupo Asamar, que recentemente teve um financiamento aprovado pelo BNDES para construir uma usina produtora de biodiesel. A unidade, que será erguida no município de Nova Andradina (MS), já tem produção definida: ao custo de um investimento de R$ 160 milhões, fornecerá ao mercado 115 milhões de litros de biodiesel por ano. Boa parte do biocombustível, que será feito a partir de soja e de pinhãomanso, será levada nos caminhões da AleSat. Outras distribuidoras também participarão do processo, mas é grande a vantagem de contar com uma parceira como essa, principalmente depois da abertura de mercado, quando as distribuidoras poderão comprar biodiesel diretamente da usina.

E não se trata apenas de ganhos econômicos, segundo Moraes. “Por sermos distribuidores de diesel há mais de 12 anos, conhecemos profundamente a logística de distribuição e as oportunidades de escoamento”, afirma. “Além disso, a sinergia de relacionamentos comerciais e institucionais é perfeita. Isso certamente resulta em uma redução de custos de aprendizado, identificação de oportunidades e redução de riscos”.

A Petrobras Biocombustível já trilhou este caminho e possui três unidades comerciais produtoras. “Estar presente na produção, comercialização, logística e distribuição do setor de biocombustíveis é fundamental para nós”, afirma o presidente da companhia, Alan Kardec. De acordo com ele, a conhecida frase da Petrobras “do poço ao posto” mostra o quanto a empresa tem interesse em verticalizar suas ações. E, no caso do biodiesel, segundo Kardec, basta fazer uma ligeira adaptação no antigo slogan para revelar qual é o pensamento da empresa. Seria algo como “da planta ao posto”. No entanto a estatal ainda não possui unidades de esmagamento, nem tampouco terras destinadas ao plantio de matéria-prima.