010

Editorial: Agricultura familiar


Maria Isabel Vedana - 24 abr 2007 - 12:17 - Última atualização em: 19 dez 2011 - 18:01


Assunto recorrente nas páginas desta revista, a precária participação da agricultura familiar no programa de biodiesel tem se tornado um grande problema para o governo, que promove as mudanças nas regras desse importante mecanismo do programa de biodiesel de maneira amadora. Enquanto isso, as metas de participação dos pequenos agricultores vão ano a ano diminuindo, e com exceção da Petrobras, que possui um padrão de lucro, digamos, mais flexível, a movimentação no setor privado é lenta em relação à inclusão social, mesmo com as recentes alterações por que passou o Selo Combustível Social.

Importante salientar que há disposição dos empresários do setor em trabalhar com os pequenos agricultores, uma vez que grande parte entrou no negócio junto com o governo Lula e portanto já preparado para seguir a cartilha da inclusão social. No entanto, o esforço e gasto financeiro despendidos suplantam os benefícios, que ainda são duvidosos ou inexistentes, e comprometem a sustentabilidade do negócio envolvendo estes agricultores.

Outro problema que começa a ganhar forma também diz respeito à sustentabilidade do setor. A Petrobras detalhou no mês passado o seu plano estratégico para o setor de biodiesel, e para aqueles que acreditam no livre mercado as informações são preocupantes. A soma dos investimentos planejados faz da estatal a maior em volume de dinheiro alocado no setor e nos próximos anos a empresa pode atingir uma participação de até um terço do mercado. Toda esta estrutura que começa a ser erguida, associada à enorme participação no mercado de distribuição, traz muita preocupação para as indústrias, que já estão com uma capacidade ociosa elevadíssima. Somando-se a tudo isso, temos a recente postura da estatal no 13º Leilão de Biodiesel, em que a empresa arrematou o biocombustível com o desproporcional preço de R$ 1,70.

Sobram razões para o temor das usinas, pois todo o investimento realizado para reduzir os custos e ganhar eficiência na produção de biodiesel pode ir por terra com as possíveis distorções criadas pela Petrobras, caso esta mantenha sua política predatória.