010

Insegurança: Preço máximo é o desafio


BiodieselBR.com - 30 abr 2007 - 14:12 - Última atualização em: 23 jan 2012 - 09:29


Preço máximo é o desafio

As regras dos leilões da ANP – mesmo a regra que prevê a entrega com preço fixo por três meses consecutivos – não têm tirado o sono dos produtores de biodiesel. Já o preço de referência estipulado pela agência, no entanto, é visto de maneira diferente.

De acordo com o Ministério das Minas e Energia (MME), o preço de referência, estabelecido em parceria com a ANP, não provoca mais tanta polêmica quanto nos primeiros leilões. O valor, conta Ricardo Dornelles, diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis do ministério, é estabelecido já levando em conta o preço da soja – e de outras matérias- primas possíveis – tanto no mercado físico quanto no mercado de futuros. São considerados, também, os valores do produto no Brasil e na Bolsa de Chicago.

“Temos uma planilha para cálculo de todos os custos envolvidos, tanto na fase agrícola quanto na fase industrial, e temos obtido bons resultados”, afirma Dornelles. Quanto ao prazo de entrega do produto, a estratégia de três meses deve continuar sendo utilizada por enquanto. Ele conta que, no primeiro leilão da fase obrigatória, quando foi instituído por lei o B2 no país, a idéia era fazer prazo de um ano. Depois, baixou-se para seis meses. “Conseguimos um deságio de 22% no primeiro leilão. Mas infelizmente a soja teve uma alta de 25% e causou um grande problema para nós”, lembra. Depois disso, em reuniões com produtores, o ministério e a ANP decidiram fazer leilões com prazo de três meses. “Até aqui, a estratégia tem funcionado bem”, acrescenta Dornelles.

Mesmo com a crise econômica internacional e com a volatilidade dos preços, porém, o 13º leilão, realizado no final de fevereiro, teve um deságio médio superior a 8%. Mas boa parte desse deságio foi causada pela estratégia agressiva da Petrobras Biocombustível, que ofereceu preço quase 28% inferior à referência estabelecida pela agência – o que, inclusive, provocou reclamações dos demais produtores.