007

Biodiesel na Argentina: o tamanho da produção


BiodieselBR - 08 dez 2008 - 14:12 - Última atualização em: 23 jan 2012 - 10:35

Para se ter uma idéia, a produção de biodiesel deste ano deverá ser de 1,1 bilhão de litros enquanto que a de etanol será da ordem de 247 milhões de litros. De acordo com a Secretaria de Energia, o biodiesel ainda não está disponível para venda ao consumidor nos postos de gasolina. O que existe, em escala reduzida, é produção para consumo próprio dirigido ao abastecimento de maquinaria, especialmente tratores. O biodiesel é produzido principalmente a partir da soja e as fábricas destinadas a sua produção são, na maior parte das vezes, unidades adicionais da indústria de esmagamento do grão e de produção de óleo de soja.

Está claro para a indústria que existe mercado garantido para o produto no mercado internacional e que os investimentos requeridos para a diversificação da produção da indústria da soja se justificam, ainda que os preços do grão e do óleo estejam em alta no mercado internacional. “As fábricas de biodiesel que se instalaram na Argentina para exportar são rentáveis”, garante Claudio Molina. “Subiu o preço da soja, mas o preço do biodiesel também subiu, o que tem mantido o negócio atrativo, mas claro que tudo depende do movimento do preço relativo dos dois produtos. Apesar disso, é bom ter em mente que o produtor de soja diversificou seu risco e ampliou o seu mercado”, complementa o presidente da Câmara Argentina de Biocombustiveis, Fernando Peláez, que também é diretor da Unitec. Em julho o litro do biodiesel estava cotado a US$ 1,28, enquanto que o litro do óleo de soja cru ficou em US$ 1,17.

Se valendo deste ponto de vista, está aí uma facilidade que aos olhos dos investidores não se pode desperdiçar. O óleo combustível compõe um item a mais que promete aumentar a rentabilidade das organizações. Estados Unidos e Europa são os principais destinos da fabricação argentina. A indústria considera que o seu grande desafio agora é consolidar o processo para contar com uma estrutura de primeiro nível que preencha as exigências requeridas para a produção sustentável ambiental, social e economicamente.

Na Argentina, as grandes indústrias estão instaladas às margens do rio Paraná e são empresas tradicionais no mercado de grãos que se aproveitam dos portos privados do complexo soja e por isso são altamente competitivas no mercado internacional. Para Fernando Peláez, o governo argentino deveria seguir o exemplo do Brasil e promover o negócio, investindo junto com a iniciativa privada em pesquisa e desenvolvimento, para que o país ocupe espaço como um importante integrante nesse mercado e conquiste uma posição de vanguarda tanto no item desenvolvimento de tecnologia quanto em capacidade de produção.