Informações

China quer criar gigante de trading agrícola com fusão entre Cofco e empresas domésticas


Bloomberg - 16 mar 2021 - 09:05

A maior empresa de alimentos da China planeja combinar a divisão de trading internacional com várias empresas nacionais para criar um gigante de commodities agrícolas antes de embarcar em uma oferta pública inicial.

A Cofco Corp. contratou banqueiros para aconselhar a empresa sobre um plano de fusão da Cofco International com alguns de seus ativos domésticos de trading e processamento, de acordo com pessoas a par das negociações.

Após a fusão, a Cofco planeja vender ações da nova empresa, provavelmente em Xangai, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. A oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) pode avaliar a nova empresa em mais de US$ 5 bilhões, disseram as fontes.

A combinação criará um gigante de trading agrícola ao colocar a unidade de trading internacional da Cofco e alguns de seus negócios domésticos sob o mesmo guarda-chuva, com ativos que vão do Brasil à China, disseram as pessoas.

A nova empresa vai competir com o chamado grupo ABCD, um quarteto de tradings globais que dominam o setor há décadas: Archer-Daniels-Midland, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus.

A China, maior compradora mundial de commodities, ajudou a elevar os preços dos alimentos nos últimos 12 meses com compras recordes de milho e outras culturas. O novo gigante de trading ajudará a proteger as principais cadeias de suprimento de alimentos e fornecerá ao governo de Pequim outra ferramenta geopolítica no comércio global.

Um porta-voz da Cofco International em Genebra não quis comentar. Não houve resposta imediata a um e-mail enviado à sede da Cofco Corp. em Pequim.

O plano de fusão surge depois que a Cofco International, com sede em Genebra, também conhecida como CIL, registrou lucro recorde devido à volatilidade dos mercados agrícolas. A divisão de trading no exterior enfrentou vários anos de perdas, mas em 2020 o lucro antes dos impostos subiu para cerca de US$ 350 milhões, disse uma das pessoas. Os resultados não foram auditados e ainda podem ser alterados.

Investidores minoritários

O IPO permitirá que os acionistas minoritários da CIL – que incluem o investidor chinês de private equity Hopu, a estatal China Investment Corp., a agência de investimento estatal de Cingapura Temasek e um braço do Banco Mundial – consigam monetizar o investimento. Os investidores externos atualmente possuem cerca de 49% da CIL, com a Cofco controlando o restante.

A fusão deve ser concluída neste ano, com um IPO possivelmente no final de 2021 ou início de 2022, disseram as pessoas. Ainda assim, a estrutura da fusão não foi finalizada e o plano de IPO depende do apetite dos investidores e dos preços das commodities, disseram.

Os banqueiros de investimento, incluindo um banco da China, receberam um mandato duplo para aconselhar sobre o plano de fusão dos ativos da Cofco e, em seguida, preparar o IPO, disseram as pessoas.

Com a fusão, a Cofco combinará a experiência de mercado de sua trading internacional, que é uma das maiores exportadoras de soja da América do Sul, com seus ativos domésticos que comercializam e processam commodities agrícolas na China. Na prática, vai conectar agricultores do mundo todo diretamente aos maiores consumidores da China.