Política

Vitrine com biodiesel em outras COPs, Brasil tem reduzido uso do combustível renovável


CNN - 05 nov 2021 - 09:19

Todo ano, o Brasil tem, pelo menos, uma boa carta na manga para apresentar na Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU): a política nacional de combustíveis não fósseis.

Sempre foi assim com o etanol e, depois, com o biodiesel.

“Se alguém duvida do potencial desses combustíveis, considere o Brasil”, disse o ex-presidente americano Barack Obama há dez anos, ao lançar um plano para o futuro energético dos Estados Unidos.

O Banco Mundial, em 2013, também fez um estudo exaltando a política nacional de biocombustíveis.

Assim como a Organização das Nações Unidas (ONU), que considerou o modelo brasileiro de utilização de combustíveis não fósseis um exemplo mundial.

Mas nesta COP26, em Glasgow, na Escócia, o Brasil apresenta um cenário bem diferente. Desde o início deste ano, o percentual de biodiesel misturado ao diesel vem caindo.

Era de 13% e agora está em 10%. Foi a primeira vez que o percentual foi deliberadamente diminuído, desde 2008, quando biodiesel passou a ser adicionado ao combustível de veículos pesados.

O governo alega que, por conta do aumento global da demanda por commodities, o preço das matérias-primas do biodiesel – a soja e o sebo bovino – subiu muito. E isso prejudicaria tanto a mistura do biodiesel no diesel quanto o custo do combustível na bomba.

Lílian Cunha – CNN