PUBLICIDADE
Política

Setor de biodiesel busca agenda com novo titular do MME


BiodieselBR.com - 02 jun 2022 - 10:10 - Última atualização em: 03 jun 2022 - 13:30

Com o risco que falte diesel no mercado brasileiro crescendo no horizonte, o setor de biodiesel está reforçando seus esforços para convencer o governo federal a rever sua posição de manter a mistura obrigatória em 10% ao longo do ano. Integrantes da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio) estão tentando articular uma reunião entre empresários do setor e o novo ministro das Minas e Energia, Adolfo Sachisida, para a próxima semana.

Segundo nota distribuída pela FPBio, o setor poderia colocar até 1,2 milhão de m³ de biodiesel no mercado nos próximos 45 dias para reforçar os estoques e, dessa forma, reduzir o risco de desabastecimento.

O receio de que falte diesel no Brasil vem ganhando corpo nas últimas semanas desde que o ex-presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, deu uma entrevista admitindo a possibilidade. O desabastecimento seria provocado pela disrupção nos mercados globais de energia em função das sanções econômicas impostas por diversos países contra a Rússia depois da invasão da Ucrânia. BiodieselBR já havia antecipado no final de março o problema de falta de diesel e colocado o biodiesel como solução.

Desde o início da guerra no final de fevereiro, os preços do petróleo dispararam levando consigo os valores dos derivados. Existe ainda o risco de um aperto na oferta no segundo semestre que poderia deixar o Brasil – que depende de importações – sem produto justamente num momento em que o consumo de diesel aumenta.

B12

Para reduzir a exposição do Brasil, os fabricantes querem que o governo federal eleve a mistura obrigatória de B10 para B12. Este ainda seria nível de mistura abaixo do B14 que o Brasil deveria estar usando desde março deste ano.

Em novembro, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) decidiu manter a mistura de biodiesel em 10% ao longo de 2022. Na época, a justificativa foi reduzir a pressão sobre os preços finais do combustível.

“Ampliar a produção de biodiesel é questão de segurança energética para os brasileiros. Defendemos essa proposta para colaborar com os esforços do governo federal contra a crise dos combustíveis. Importante ressaltar que o biodiesel a mais irá substituir a parcela de diesel que é importada e esse combustível é mais caro do que o diesel nacional”, ressalta o deputado federal Pedro Lupion (PP-PR), presidente da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio).

Novo ministro

Pessoalmente alinhado com Bolsonaro, Adolfo Sachsida assumiu o MME três semanas atrás depois da demissão do ministro Bento Albuquerque. O economista é visto como pouco afeito ao setor de biocombustíveis, o que causou preocupação entre as usinas.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com