Política

Bolsonaro responsabiliza biodiesel por alta nos preços do diesel


Poder 360 - 29 jan 2021 - 12:34

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou nesta quinta-feira, 28, que o governo federal pode não reduzir a alta de R$ 0,09 no valor do litro do óleo diesel na bomba. A redução é reivindicação dos caminhoneiros, que ameaçam entrar em greve na próxima segunda-feira, 1º de fevereiro.

Os caminhoneiros estão contra o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) anunciado pelo Governo do Estado de São Paulo em dezembro.

O governo federal estuda reduzir a cobrança de PIS/Cofins para amortizar a alta no preço do diesel anunciada na terça-feira, 26, pela Petrobras. Bolsonaro, no entanto, disse que o custo seria alto.

“Cada centavo no diesel equivale a R$ 800 milhões por ano. O que a Economia apresentou para mim, aumenta aqui, aumenta lá, ia penalizar todo mundo”, falou Bolsonaro durante transmissão ao vivo nas redes sociais.

O presidente estava ao lado do ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura). Bolsonaro relacionou a alta no combustível à “questão ambiental”.

“Sabemos o sacrifício dos caminhoneiros. O que mais pesa no bolso deles é abastecer o tanque de óleo diesel. Temos também uma conta alta. É o biodiesel que vai no diesel adicional. Sai muito mais caro e reflete no preço final do combustível. O preço é alto”, falou o presidente.

Tarcísio completou que, por lei, é necessário acrescentar biodiesel ao combustível. “A gente é obrigado por lei a adicionar um percentual de biodiesel, um compromisso ambiental. No final das contas, acaba saindo mais caro o diesel por conta disso”, disse o ministro.

Bolsonaro afirmou na quarta-feira, 27, que estava conversando sobre a questão com o ministro Paulo Guedes (Economia). Apelou aos caminhoneiros que não entrem em greve. “Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve, todos vamos perder, sem exceção”, declarou. “A solução não é fácil”.

A alta do diesel foi o que desencadeou a paralisação de caminhoneiros em 2018, ainda no governo de Michel Temer (MDB). A greve durou dez dias e interrompeu o fornecimento de combustíveis, a distribuição de alimentos e insumos médicos. Houve prejuízos na casa de R$ 15 bilhões em diversos setores econômicos.

Por causa da pandemia, o preço do óleo diesel no varejo teve queda de 3,3% em 2020, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para 2021, os preços dos combustíveis no Brasil sofrem pressão para cima, com expectativa de recuperação da cotação internacional do petróleo.