Leilões de biodiesel

Porque as distribuidoras compraram muito biodiesel no 28º leilão


BiodieselBR.com - 19 dez 2012 - 16:20

O volume adquirido no 28º leilão de biodiesel da ANP foi contra todas as previsões. Poucos esperavam que fosse comprado um volume 22% maior que o consumido no mesmo período do ano anterior. Qual seria a explicação para esta aquisição atípica de 496 milhões de litros de biodiesel para o B5 nos dois primeiros meses do ano?

A BiodieselBR saiu em busca dessa resposta e ouviu pessoas envolvidas com o leilão dentro da Petrobras. Descobrimos que a estatal estimava que seriam comprados cerca de 435 milhões de litros e o resultado final do certame foi realmente inesperado.

Apesar da surpresa, a Petrobras trabalha com algumas possíveis explicações que podem ajudar a entender parte deste volume extra adquirido. A primeira é a que as termelétricas estão em pleno funcionamento desde novembro e devem continuar nos próximos meses, puxando para cima a demanda. Mesmo assim a Petrobras não acredita que este tenha sido o único motivador.

O segundo ponto levantado pela estatal está relacionado com os preços muito mais baixos ofertado pelas usinas no segundo dia de compras. Esta situação, antecipada pela BiodieselBR na cobertura online do leilão, foi uma surpresa para as distribuidoras e despertou um desejo por comprar mais biodiesel. Segundo essa tese, mesmo tendo comprado tudo o que precisavam, as distribuidoras compraram mais biodiesel do que pretendem consumir e não devem retirar tudo. Como o contrato permite que até 10% do biodiesel deixe de ser retirado livre de punição, as distribuidoras aproveitaram para fazer média e o biodiesel comprado pelo maior valor no primeiro dia deve permanecer com as unidades de produção.

Mas apesar de bastantes plausíveis, estas são apenas teorias. Para termos certeza do que aconteceu fui atrás do comandante de uma entidade que representa a compra de 85% do diesel brasileiro: Alísio Vaz, presidente do Sindicom.

Na tarde de ontem ele esclareceu a questão apontando quatro motivos que fizeram a compra saltar de 405 milhões de litros no primeiro bimestre de 2012 para 496 milhões no ano seguinte.

A primeira explicação está no crescimento esperado do mercado de diesel. Segunda Alísio, as projeções do sindicato mostram que o consumo veicular crescerá cerca de 7% no próximo bimestre em relação ao ano anterior. Isso deve fazer com que a demanda de 405 milhões pule para 433 milhões de litros. Um número semelhante às projeções da Petrobras.

O segundo e terceiro ponto estão relacionados às termelétricas. Como elas deverão permanecer operando nos próximos meses, as distribuidoras que as atendem precisam comprar mais biodiesel para anteder essa demanda atípica nos próximos dois meses. Isso porque o diesel usado nas termelétricas também possuem 5% de biodiesel misturado.

Além disso, as distribuidoras tiveram que atender essa demanda extra nos meses de novembro e dezembro, o que fez seus estoques reduzirem. Assim, parte da demanda neste leilão veio para repor os estoques que estavam baixos.

O quarto fator explicado pelo presidente do Sindicom, é semelhante a teoria da Petrobras. As distribuidoras enxergaram a oportunidade de comprar biodiesel mais barato no segundo dia e o fizeram, mesmo já tendo comprado quase tudo que queriam inicialmente. Questionado se as usinas deixariam de retirar o biodiesel mais caro, dentro do que permite o contrato, Alísio Vaz disse que esta é uma possiblidade.

Assim, é de se esperar que no próximo bimestre as retiradas de biodiesel fiquem abaixo da média dos últimos leilões. As usinas que venderam por um preço mais alto terão que se esforçar muito para que as distribuidoras retirem 100% do contratado.

Miguel Angelo Vedana - BiodieselBR.com