PUBLICIDADE
cremer cremer
Leilões de biodiesel

Paradas em usinas tiram 20,5 milhões de litros de oferta do L68


BiodieselBR.com - 14 ago 2019 - 16:11

Um total de 9 usinas estão com paradas programas de sua produção durante o quinto bimestre de 2019. São duas a mais do que no período de entregas do L67. O dado foi divulgado pela Petrobras na página da Petronect que concentra a documentação referente ao leilão de biodiesel.

Cruzando as capacidades produtivas diárias de cada usina e as datas anunciadas, as paradas reduziram a oferta de biodiesel em mais de 20,5 milhões de litros no L68, o que equivale a 1,5% da capacidade habilitada total que foi de 1,37 bilhões de litros. Em termos absolutos, a perda atual foi a maior desde o L64 quando as paradas reduziram a capacidade de produção em mais de 22,7 milhões de litros.

PBio

A Petrobras Biocombustível (PBio) será a grande responsável pela redução da oferta. Tanto a usina de Montes Claros (MG) quanto a de Candeias (BA) farão paradas bastante prolongadas no próximo bimestre.

A unidade mineira ficará 18 dias sem produzir e, portanto, vai deixar de fabricar 7,6 milhões de litros. Já a planta da Bahia reduziu a oferta em pouco mais de 6 milhões de litros ao parar durante 10 dias. Somadas as duas deixarão de poder fabricar até 13,6 milhões de litros.

Em ambos os casos, a justificativa apresentada foi apenas de ‘parada operacional’ sem qualquer informação adicional.

Cargill, Caramuru de São Simão, Olfar de Erechim e Bianchini também tiveram que reduzir suas ofertas em mais de um milhão de litros em função de paradas.

Restrições

Além das paradas, 11 usinas notificaram o mercado que vão operar com restrições de carregamento. Para 10 delas, a restrição diz respeito à impossibilidade de carregamento de caminhões compartimentados.

Já a Cargill notifica que mantém sua política de exigir que caminhões que tenham transportado álcool e/ou gasolina em sua viagem anterior podem ser obrigados a passar por um processo de limpeza antes de receberem autorização para carregar biodiesel na usina de Três Lagoas.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com