Leilões de biodiesel

Indústria do biodiesel prevê vendas 16% maiores no próximo leilão


Valor Econômico - 04 set 2014 - 10:32 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

A indústria de biodiesel tem expectativas de que no próximo leilão do biocombustível a ser realizado em outubro pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) seja comercializado um volume pelo menos 16% maior do que no leilão passado. O crescimento será resultado do aumento da mistura de biodiesel no diesel, de 6% (B6) para 7% (B7), aprovado na terça-feira (02) pelo Senado. Para a medida se tornar lei, no entanto, a presidente Dilma Rousseff ainda precisa sancionar a Medida Provisória 647.

A União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) estima que serão comercializados pelo menos 730 milhões de litros de biodiesel no próximo leilão, que será o primeiro da nova mistura de 7%. Na última oferta pública, realizada em agosto, foram comercializados 625 milhões de litros do produto.

Hoje, as usinas que contam com autorizações da ANP para comercializaram biodiesel somam quase 7,8 bilhões de litros em capacidade instalada. Mas, como a mistura obrigatória era de 5% – o B6 só foi implementado em julho graças a edição da MP 647 – as projeções indicavam que a demanda deveria encerrar 2014 por volta dos 3 bilhões de litros.

No entanto, com o início da obrigatoriedade pelas distribuidoras de venderem diesel com, no mínimo, 7% de biodiesel, a partir de 01 de novembro, o mercado já faz projeções que apontam para uma produção por volta dos 3,5 bilhões de litros ainda em 2014.

"Melhor seria que fosse aprovado o B10, mas o mais importante para as indústrias de biodiesel é que haja previsibilidade de demanda", afirma o diretor-superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski. Durante a tramitação da MP, entidades e empresas do setor pleitearam a mistura de 10%, mas o governo resolveu adiar a negociação.

Mas mesmo a mistura ainda em 7% já tende a trazer mais ânimo a essa indústria. A Fiagril, processadora de soja localizada em Mato Grosso, projeta para o curto prazo o crescimento dos negócios com biodiesel, um dos produtos agroindustriais do seu portfólio. O gerente de negócios da empresa, Francisco Flores, explica que, até agora, vem comercializando cerca de 50% de sua capacidade de produção. "Agora, nossa expectativa é aumentar esse patamar para entre 70% e 80%", afirma Flores.

Júlio Minelli, da Aprobio, outra entidade do setor, calcula que, com a mistura de 7%, as usinas de biodiesel do país, concentradas nas regiões Centro-Oeste e Sul, devem reduzir para 40% seus níveis de ociosidade que, atualmente, estão na casa dos 60%. 

Com adaptações e correções BiodieselBR.com