Especificação

Qualidade do diesel consumido no Brasil volta a cair


BiodieselBR.com - 20 nov 2017 - 09:41

A qualidade do diesel no Brasil continuou piorando em outubro. Segundo dados coletados pelo Programa de Monitoramento de Qualidade dos Combustíveis (PMQC) – iniciativa da ANP que avalia a qualidade dos combustíveis vendidos nos postos –, no mês passado o nível de não conformidade das amostras coletadas ultrapassou 3,1%. Esse foi o pior resultado nos últimos quatro meses.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

Dados da ANP mostram que qualidade do óleo diesel deu virada para o pior em outubro com maior indicador de não conformidade em quatro-meses
<iframe class='highcharts-iframe' src='//cloud.highcharts.com/embed/izymisu' style='border: 0; width: 100%; height: 500px'></iframe>
A qualidade do diesel no Brasil continuou piorando em outubro. Segundo dados coletados pelo Programa de Monitoramento de Qualidade dos Combustíveis (PMQC) – iniciativa da ANP que avalia a qualidade dos combustíveis vendidos nos postos –, no mês passado o nível de não conformidade das amostras coletadas ultrapassou 3,1%. Esse foi o pior resultado nos últimos quatro meses.
O sinal amarelo já tinha acendido em setembro [https://www.biodieselbr.com/noticias/qualidade/espec/qualidade-diesel-encerra-trajetoria-melhora-setembro-171017.htm] quando o mercado encerrou uma trajetória de melhoria que já durava cinco meses. O indicador também volta a ultrapassar a barreira dos três pontos percentuais depois de se manter a baixo dela durante três meses.
Isso traz de volta à memória os maus resultados que vêm sendo registrados em meses recentes. Em abril deste ano [https://www.biodieselbr.com/noticias/qualidade/mistura/qualidade-diesel-teve-pior-mes-desde-adocao-b5-190517.htm], o indicador de não conformidade bateu em 6,6% – seu pior desempenho desde a introdução do B5.
Aumento da mistura
Aumentos na mistura de biodiesel costumam ser acompanhados de surtos de não conformidade. Foi assim que a adoção do B5 em 2010, do B6 e B7 no segundo semestre de 2014 e, mais recentemente, com o B8. 
Com a mistura obrigatória se encaminhando para dar um salto de dois pontos percentuais – de B8 para o B10 – em março que vem a qualidade do diesel deve sofrer uma turbulência ainda maior.
Teor
Segundo o boletim divulgado hoje pela ANP, foram coletadas 2.658 – 5% mais que em setembro – das quais 83 apresentaram algum tipo de vício de qualidade. 
O teor de biodiesel foi o principal problema respondendo por 68% das reprovações no mês.
Rio Grande do Sul 
Em outubro, houve uma mudança importante no mapa do PMQC. Depois de vários meses, o Rio Grande do Sul voltou a ser monitorado com 112 amostras coletadas e, aproximadamente, 0,9% de não conformidade.
Já o Distrito Federal e o Tocantins voltaram a sumir da lista de estados monitorados.
O pior diesel do mês foi o de Alagoas onde mais onde 19,1% das amostras apresentaram um ou mais problemas de qualidade. Foram 9,5 pontos percentuais a mais do que em setembro.
Em seis unidades da federação – Amapá, Bahia, Espírito Santo, Pará, Pernambuco e Sergipe – não foram descobertos problemas.
Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com