Pesquisa

Pesquisadores britânicos obtêm combustível a partir de bactéria


BBC Brasil - 23 abr 2013 - 09:47 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
diesel bacteria_inglaterra_230413
Pesquisadores britânicos conseguiram obter diesel a partir de uma bactéria geneticamente modificada. Os cientistas da Universidade de Exeter modificaram uma amostra da bactéria E. Coli – microrganismo que vive no intestino humano e transforma o açúcar que absorve em gordura.

Usando biologia sintética, a equipe alterou os mecanismos celulares da bactéria para que o açúcar fosse convertido em moléculas de óleo que são quase idênticas ao diesel convencional, derivado de petróleo. O estudo, divulgado na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences, afirma que o combustível sintético poderia ser uma alternativa viável aos combustíveis fósseis.

"Nosso desafio é aumentar a produção antes de chegar a qualquer forma de fabricação industrial do combustível", disse o professor John Love, biólogo da Universidade de Exeter. "Nós temos um período de três a cinco anos para fazer isso e depois veremos se valerá a pena seguir em frente", acrescentou Love.

A equipe de pesquisadores também está analisado as chances de a bactéria converter outros componentes em combustível, como dejetos humanos e de animais.

Biocombustíveis
Atualmente há uma pressão para aumentar o uso de biocombustíveis em todo o mundo. Metas estabelecidas pela União Europeia determinam que, até o final desta década, 10% dos combustíveis utilizados dentro do bloco sejam compostos de biocombustíveis.

O problema é nem sempre o biodiesel e etanol são compatíveis com os motores atuais. Segundo o professor Love, o combustível obtido a partir da bactéria E.Coli modificada é diferente. "Nós conseguimos obter um combustível que tem exatamente a composição exigida pelos motores modernos", afirma. "Podemos até chamá-lo de ‘biocombustível fóssil’", acrescentou.

Os biocombustíveis são considerados uma alternativa aos combustíveis fósseis porque poluem menos o meio ambiente. Enquanto gasolina e diesel liberam dióxido de carbono, os biocombustíveis são considerados neutros em termos de emissões porque emitem na atmosfera a mesma quantidade de CO2 que as plantas das quais são produzidos absorvem.

No entanto, há críticas sobre a produção de biocombustíveis, que ocupam grandes áreas de plantio e pressionam o preço dos alimentos no mercado internacional. De acordo com Geraint Evans, consultor da NFCC, consultoria de bioeconomia, essas questões também têm de ser consideradas na produção de combustível a partir de bactérias.

"Ao mesmo tempo em que isso aumenta as fontes potenciais de produção de diesel, é preciso pensar em sustentabilidade", afirma Evans. "Não é um truque de mágica, mas certamente uma outra ferramenta", completa.