Pesquisa

Cemig desenvolve transformador movido a óleo vegetal


ASCOM CEMIG - 23 fev 2012 - 09:52 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

Na subestação Cidade Industrial, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, já é possível observar os benefícios da utilização do transformador “verde”, equipamento que utiliza óleo vegetal como meio isolante e refrigerante, em substituição ao óleo mineral. Além de potencializar a performance do transformador, o óleo vegetal é não-tóxico e 99% biodegradável e não afeta negativamente o meio ambiente.

A nova tecnologia é resultado de um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento – P&D da Cemig, em parceria com a ABB, líder global em tecnologias de potência e de automação. O resultado do projeto, inédito mundialmente, foi preencher um transformador com 100% de óleo vegetal combinado com Nomex, material isolante de última geração, que proporciona um ganho de até 40% na potência de transformadores.

De acordo com o engenheiro do sistema elétrico da Cemig Júlio Henrique Guimarães, gerente do projeto, essas características aumentam a disponibilidade do transformador e a confiabilidade do fornecimento de energia para os consumidores. “A temperatura é a principal responsável por acelerar a degradação da isolação e reduzir a vida útil do transformador. Dessa forma, a combinação de Nomex com óleo vegetal faz com que ele suporte uma elevação maior de temperatura sem perda de vida útil”, explica o engenheiro. “Com essa combinação, o equipamento pode durar até 200 anos, o que equivale a cinco vezes a vida útil de um transformador convencional”, estima.

Ainda segundo Júlio Henrique, o óleo vegetal é fonte renovável de energia, biodegradável, reciclável e de fácil descarte. Pode ser considerado uma revolução em fluidos isolantes para transformadores, pois apresenta características como alta estabilidade térmica e ponto de combustão muito acima dos óleos minerais. Além disso, proporciona mais segurança na operação e reduz riscos de incêndio em subestações.

O projeto encontra-se na etapa denominada “cabeça de série”, que compreende o aperfeiçoamento do protótipo, por meio da avaliação de sua performance na prática. “Para isso, serão instaladas seis unidades em diferentes pontos do sistema elétrico da Cemig, onde a isolação, submetida aos esforços do sistema elétrico, dará a resposta para avaliar o produto”, destaca Júlio Henrique.

A Cemig também utiliza transformadores “verdes”, embora sem a combinação com Nomex, nas subestações de Pará de Minas e de Itabirito, na região Central de Minas, e em uma subestação móvel.

Benefícios do óleo vegetal
Fonte renovável de energia:
o óleo vegetal é um derivado de produtos agrícolas, sintetizado a partir de uma base orgânica. Já o óleo mineral é derivado do petróleo.

Biodegradável: reduz significativamente os riscos de um acidente ambiental, ao desaparecer naturalmente em poucos dias, caso ocorra um vazamento. O óleo mineral, por sua vez, é classificado como tóxico e não biodegradável.

Reciclável, recondicionável e de fácil descarte: após atingir um estado de degradação que exija sua substituição, o óleo vegetal pode ser recuperado ou descartado e, em alguns casos, transformado em biodiesel, diferentemente do óleo mineral.

Alto ponto de combustão: essa característica permite, a partir da combinação com materiais isolantes, fabricar transformadores com potência até 40% maior, com a mesma estrutura física de um transformador a óleo mineral, além de reduzir os riscos de incêndios em subestações.

Redução da emissão de carbono: ao substituir o óleo mineral isolante, contribui-se para reduzir o refino de petróleo, que é um processo com elevado índice de emissão de CO2, principal causador do efeito estufa.