PUBLICIDADE
cremer cremer
Saúde

Mortes pela queima combustíveis fósseis podem ser o dobro do estimado anteriormente


BiodieselBR.com - 08 mar 2021 - 09:07

Que respirar a poluição causada pela queima massiva de combustíveis fósseis não é boa para a saúde, todo mundo já sabia. Mas pode ser ainda pior do que se supunha até agora. Um estudo elaborado por pesquisadores de Harvard, do London College e de Birmingham estima que até um quinto de todas as mortes registradas no ano de 2018 estavam associadas à poluição do ar.

Pelas contas dos pesquisadores, no mundo todo 8,7 milhões de pessoas perderam a vida de forma prematura em função de complicações de saúde causadas principalmente pela exposição do material particulado gerado pela queima de carvão, gás natural e derivados do petróleo. O novo número mais do que dobra a elaborada pelo Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME, na sigla em inglês) cujo estudo Peso Global das Doenças estimava a mortalidade da poluição em 4,2 milhões em 2015.

Enquanto o estudo anterior limita sua contagem a doenças mais diretamente relacionadas à exposição a poluição – como cardíacas e pulmonares –, o novo estudo explora também outros problemas de saúde cuja relação com a exposição aos contaminantes atmosféricos é indireta. Além disso, os números do IHME extrapolam apenas sobre dados da América do Norte e Europa, enquanto o atual incorpora informações sobre a África e a Ásia onde a mortalidade da poluição é maior.

China e Índia são os dois países mais poluídos do mundo representando cerca de 60% das mortes associadas à poluição em todo o mundo.

Melhora

Os pesquisadores apontam que entre 2012 e 2018 houve queda na participação das doenças relacionadas à poluição do ar no total de mortes registradas.

Isso aconteceu principalmente em função da adoção de padrões mais rígidos de qualidade do ar por diversos países. Na China especialmente onde as emissões de material particulado fino – o pior para a saúde – caiu entre 30% e 50% ao longo do período.

Um estudo da EPE mostrou que o uso de biocombustíveis poupou 650 vidas na região metropolitana de São Paulo apenas no ano de 2018.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com
Com informações da The Economist