Emissões

Colômbia ataca: biodiesel brasileiro é inferior


BiodieselBR.com - 19 jun 2012 - 12:14
plantacao-dende190612
Grande produtora de palma e de cana-de-açúcar, a Colômbia tem grandes ambições para o futuro mercado internacional de biocombustíveis. Por isso, o governo de Bogotá está tomando providências para sair na frente de seus concorrentes potenciais – entre os quais o Brasil – e está fazendo circular um estudo finalizado em janeiro, segundo o qual os biocombustíveis colombianos seriam os mais limpos do mundo, do ponto de vista das emissões de gases de efeito estufa (GEEs). Essa é uma vantagem e tanto se considerarmos que o mercado europeu tem mandado seguidos avisos de aumento das barreiras aos países que não atinjam padrões ambientais mínimos determinados pela União Europeia (UE).

Chamado “Avaliação do Ciclo de Vida da Cadeia de Produção de Biocombustíveis na Colômbia”, o estudo foi elaborado por um consórcio internacional que incluiu pesquisadores do Laboratório Federal de Ciência de Materiais e Tecnologia da Suíça (EMPA), o Centro Nacional de Produção Mais Limpa e Tecnologias Ambientais da Colômbia (CNPML) e a Universidade Pontifícia Bolivariana (UPB). Os trabalhos foram financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e pelo Ministério de Minas e Energia do país vizinho. A meta da iniciativa era fazer a Avaliação de Ciclo de Vida (AVC) do biodiesel de óleo de palma e do etanol de cana-de-açúcar produzidos pela Colômbia. Esta avaliação serve para determinar as emissões de GEEs do processo completo de produção – desde o plantio das matérias-primas ao consumo final – e comparar esse total com as emissões dos combustíveis fósseis que eles venham a substituir.

Nesse sentido, o principal resultado obtido pelos pesquisadores foi que o biodiesel fabricado na Colômbia reduz em cerca de 83% as emissões, enquanto o etanol chega a 74%. Em seu boletim de 24 de maio, a Federação Nacional de Biocombustíveis da Colômbia (Fedebiocombustíbles) qualificou a performance ambiental dos produtos colombianos como “muy superior” à de diversos outros países [veja tabela abaixo].

O material disponível não deixou claro de onde a entidade foi buscar os dados usados nessa comparação. BiodieselBR insistiu para ter acesso ao documento na íntegra, mas não obteve resposta dos dirigentes colombianos. A confiar na palavra da Fecombustíbles, o biodiesel brasileiro de soja toma uma verdadeira surra ao cortar as emissões em parcos 19%. Até o nosso etanol perde com 65% de redução.

Performance
E isso porque a Fecombustíbles foi até modesta no caso do biodiesel. A redução de 84% foi a média calculada em cima da performance da indústria em 2009, mas a pesquisa inclui também um cenário otimizado que calcula o que aconteceria se a indústria colombiana tomasse medidas adicionais para reduzir suas emissões. Isso sinaliza a possibilidade do biodiesel fabricado lá se tornar até carbono-negativo.

O documento também pinta um quadro bastante favorável para a expansão futura da indústria de biocombustíveis na Colômbia. O estudo determinou que o país ainda tem quase 4 milhões de hectares aptos ao cultivo de palma de óleo e 4,9 milhões de hectares para a cana-de-açúcar – hoje a área plantada com essas duas culturas é de, respectivamente, 337 mil e 215 mil hectares.

ILUC
Mas nem tudo está a favor da Colômbia. O estudo alerta que o fator fundamental para que a performance ambiental dos biocombustíveis se mantenha favorável serão as modificações no uso da terra. Caso as lavouras energéticas avancem — ou desloquem outras culturas — sobre regiões cobertas com matas nativas, o desmatamento vai liberar tanto gás carbônico na atmosfera que poderá praticamente eliminar qualquer benefício obtido com a substituição dos fósseis.

Caso o crescimento aconteça sobre áreas cobertas de floresta tropical virgem, as emissões passam a ser superiores à quantidade equivalente de combustível de petróleo — 40% no caso do biodiesel e 50% no caso do etanol.


Biodiesel
País Matéria-Prima Redução das Emissões
Colômbia palma de óleo 83%
União Europeia colza 15%
Malásia palma de óleo 35%
Estados Unidos soja 44%
Brasil soja 19%
Etanol
País Matéria-Prima Redução das Emissões
Colômbia cana-de-açúcar 74%
Brasil cana-de-açúcar 65%
União Eropeia beterraba 53%
União Eropeia trigo 7%
Estados Unidos milho 10%


Fábio Rodrigues - BiodieselBR.com
Tags: Colômbia Iluc