PUBLICIDADE
Cidades

Experiência de Curitiba incentiva desenvolvimento do biodiesel no país


Prefeitura de Curitiba - 17 abr 2012 - 14:27 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
ctba-frente1

A Frente Parlamentar do Biodiesel do Congresso Nacional vai usar a experiência curitibana no setor para uma discussão nacional voltada à criação de políticas que incentivem a utilização de combustíveis renováveis no país. Foi o que disse nesta segunda-feira (16), em Curitiba, o presidente da Frente Parlamentar, deputado federal Jeronimo Goergen.

“Curitiba mais uma vez é um modelo, e vamos utilizar sua experiência porque o incentivo ao uso do biodiesel significa incentivar a redução de poluentes, a geração de empregos no setor, o incentivo ao pequeno produtor e o desenvolvimento de um setor cada vez mais importante quando se pensa em sustentabilidade”, disse o deputado.

Goergen e outros parlamentares da Frente acompanharam o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, na visita a Curitiba para conhecer de perto a Linha Verde e o sistema Expresso Ligeirão, cuja frota é integralmente abastecida apenas com biodiesel, sem mistura de óleo mineral. Da comitiva participaram também representantes da Associação de Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio).

"A visita do presidente da Câmara e da Frente Parlamentar é resultado da importância do que está sendo feito em Curitiba na área do transporte coletivo e preservação ambiental",  afirmou o prefeito Luciano Ducci, que acompanhou o presidente da Câmara e os deputados da Frente Parlamentar do Biodiesel na viagem com o Ligeirão pela Linha Verde.

A mobilização dos deputados acontece no momento em que o governo prepara, para envio ao Congresso, projeto que estabelece um novo marco regulatório na utilização de biodiesel no país. O marco atual é de 5% de mistura de biodiesel ao diesel convencional. A frota de Ligeirões de Curitiba é 100% biodiesel, provando que é possível buscar alternativas ao diesel convencional.

Depois de destacar que projetos como o da Linha Verde – onde nasceu o Ligeirão e o projeto Biodiesel 100 – deveriam ser implantados pelo menos em todas as cidades sede da Copa do Mundo de 2014, o presidente da Câmara, Marco Maia, disse que Curitiba mais uma vez mostra que se preocupa com o meio ambiente e com o futuro.

“Não é mais possível pensar em desenvolvimento sem pensar em energias alternativas e Curitiba dá um exemplo importante, que já começa a atrair a atenção de outras cidades”, disse Maia. Passo Fundo e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, devem ser as primeiras a seguir o exemplo curitibano, afirmou o presidente da Aprobio, Erasmo Carlos Battistella.

Battistella lembrou que quanto maior for a produção de biodiesel, menor será o custo o que, por sua vez, é um incentivo para aumento do consumo. "Curitiba que já era modelo no transporte coletivo, agora é também na busca de combustível alternativo”, afirmou.

Preservação ambiental - O prefeito Luciano Ducci disse aos parlamentares de Brasília e empresários que toda a frota do Expresso Ligeirão da cidade será obrigatoriamente abastecida apenas com biodiesel. Afirmou  também que o governo federal precisa adotar medidas de incentivo ao uso do biodiesel, reduzindo o custo, hoje em torno de 30% mais caro do que o diesel convencional. "Mesmo assim, tomamos a decisão de adotar o biodiesel, porque o ganho para o meio ambiente e para a saúde da população são muito importantes".

A visita da Frente Parlamentar, do presidente da Câmara e de empresários do setor começou no aeroporto, ao meio dia, onde eles foram recebidos pelo prefeito e convidados a se deslocar para a Linha Verde em um Ligeirão. Logo após o almoço, a comitiva foi recebida novamente pelo prefeito no Salão Brasil, quando foram apresentados detalhes do projeto.

A cidade tem atualmente 32 ônibus que rodam apenas com biodiesel – 26 deles do Expresso Ligeirão e os seis ônibus que deram origem ao projeto hoje na linha Circular Sul. O projeto que começou em 2009 com o uso de 20 mil litros de biodiesel por mês utiliza atualmente 150 mil litros de combustível.

Até o fim do ano a cidade terá mais 20 ônibus do sistema Ligeirão rodando só com biodiesel. São os ônibus do Ligeirão Norte cujas obras iniciadas pelo prefeito Luciano Ducc  na semana passada. Além do Ligeirão movido e biodiesel, Curitiba terá também, ainda em 2012, ônibus híbridos (Hibribus), movidos a eletricidade e biodiesel.

“Curitiba, com os híbridos, será a cidade pioneira mundial a contar com uma frota que, além de movida a eletricidade, pode perfeitamente dispor de biodiesel B-100, isento de  óleo mineral, provando a teoria da sustentabilidade com total qualidade de vida”, disse o presidente da Volvo do Brasil, Luiz Carlos Pimenta, que acompanhou a visita da Frente Parlamentar do Biodiesel.

"O pioneirismo curitibano, que remete aos anos 1970, contribuiu para que Volvo se instalasse na Cidade Industrial, e hoje a imagem da empresa não pode mais ser dissociada da paisagem da cidade, com seus eixos estruturais e ônibus cada vez mais modernos e capacidade crescente de passageiros por viagem”, acrescentou Pimenta.

Curitiba tem uma frota de 32 ônibus operando regularmente abastecidos exclusivamente com biodiesel, sem mistura de óleo mineral. Até o fim deste ano serão 82 ônibus, com a entrada em operação do Ligeirão Norte, com 20 veículos e 30 ônibus híbridos, movidos a eletricidade e biodiesel.

Atualmente são 26 ônibus biarticulados do Expresso Ligeirão das linhas Boqueirão e Pinheirinho-Carlos Gomes; e seis ônibus articulados da linha Circular Sul. O consumo mensal atual a frota do projeto é de 150 mil litros de biodiesel. Depois do Ligeirão Norte serão implantados os Ligeirões nos eixos Leste e Oeste, ampliando a frota de biarticulados movidos exclusivamente a biodiesel.

Ganho ambiental

Comparada a uma frota equivalente, de ônibus movidos a diesel, a frota do  B100 (abastecida 100% com biodiesel) emite 63,7% menos material particulado (fumaça); 46% menos monóxido de carbono e 65% menos hidrocarbonetos totais. Os ônibus do B 100 não produzem óxido de enxofre. Utilizando combustível limpo, Curitiba contribui para melhorar a qualidade do ar fator decisivo em doenças respiratórias como asma e bronquite.

Linha Verde

Este é o mais novo eixo de transporte de Curitiba e representa uma nova geração de corredores exclusivos, projetado, construído e operado levando em conta o princípio de sustentabilidade e permitindo ultrapassagem dos ônibus.

A primeira etapa deste eixo (9,4 quilômetros) foi inaugurada em maio de 2009 e a segunda etapa (11 quilômetros) está em obras. Na primeira etapa são cinco estações (serão 14 no total) na Linha Verde e três na avenida Marechal Floriano que, reformada, passou a ser o braço da Linha Verde em direção ao centro da cidade.

As estações da Linha Verde são amplas, climatizadas e com película que ameniza a incidência dos raios solares em seu interior. A climatização é feita por um processo inédito que garante a entrada de ar 100% puro a cada 90 segundos. A tubulação do ar passa por uma área aquecida com uma lâmpada comum e em seguida em meio a um tanque de água, chegando ao interior da estação limpo e mais fresco.

Ao longo da Linha Verde foram plantadas mil árvores, para formação de um parque linear de 21 mil metros quadrados. O plantio foi feito de forma a que as de maior porte ficassem no entorno das estações, onde há mais frenagens, para formação futura de bosques.

Cerca de 800 rampas; calçadas com relevo; grades de proteção ao pedestre no entorno das estações; e ciclovia fazem parte da Linha Verde. Neste eixo circulam apenas os ônibus do Biodiesel 100, que fazem a ligação Pinheirinho (região sul) à praça Carlos Gomes (centro).

O projeto

O Biodiesel 100, da Prefeitura de Curitiba, com uma frota operando regularmente, é uma experiência inédita na América Latina e, até onde se tem notícia, no mundo. É resultado de anos de pesquisa desenvolvida com apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e de uma ampla parceria coordenada pela Urbs, Urbanização de Curitiba S/A empresa que gerencia o transporte em Curitiba.

São parceiros da Prefeitura de Curitiba neste projeto as empresas operadoras de transporte coletivo Cidade Sorriso e Viação Redentor; as montadoras Scania e Volvo, o Instituto  Tecnológico do Paraná (Tecpar), o Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico e Combustíveis (Probiodiesel); a fabricante do combustível, a BSBios Indústria e Comércio de Biodiesel Brasil Sul S/A e a RDP Distribuidora de Petróleo.  

O combustível, produzido pela BSBios é à base de soja sem qualquer mistura de gordura animal para impedir cristalização a baixa temperatura, uma das características do clima da cidade. O Biodiesel 100 foi implantado em agosto de 2009, em caráter experimental, com seis dos 14 ônibus da frota da Linha Verde. Eram ônibus articulados, com capacidade para 170 passageiros.

Os resultados obtidos tanto no desempenho dos ônibus quanto no ganho ambiental levaram a Prefeitura de Curitiba a ampliar o projeto, estabelecendo o Biodiesel 100 como combustível de toda a frota do Expresso Ligeirão, que será implantada, gradativamente, nos seis eixos de transporte do município.

Em março do ano passado, os seis articulados do B100 passaram a integrar a frota da linha Circular Sul, entrando em operação os novos Ligeirões – o maior ônibus do mundo, com 28 metros de comprimento e capacidade para 250 passageiros, um aumento de 47% na oferta de lugares. São 26 ônibus nos eixos Boqueirão e Linha Verde/Marechal Floriano.

Novo biarticulado

Além da Linha Verde, a sustentabilidade também está presente no novo padrão de biarticulados de Curitiba. Em março de 2011 entraram em circulação os novos Ligeirões – ônibus com 28 metros de comprimento, com capacidade para 250 passageiros e com motores que permitem a utilização apenas de biodiesel.

É o maior ônibus em operação no mundo. Nas linhas do Expresso Ligeirão o ônibus tem a cor azul, facilitando a identificação pelo usuário. Nas linhas do Expresso convencional eles são vermelhos e trafegam com diesel comum, dentro das especificações legais, com mistura de 5% de biodiesel.

Dados gerais do transporte em Curitiba

A Rede Integrada de Transporte (RIT) atende Curitiba e 13 municípios da Região Metropolitana. Por dia são 2,3 milhões de passageiros transportados.

São 1.915 ônibus que percorrem, por dia, 490 mil quilômetros, num total de 21 mil viagens.

A integração é feita em 364 estações tubo e 30 terminais de transporte (nove na Região Metropolitana). O sistema permite a utilização de quantos ônibus forem necessários, pelo tempo que for necessário, pagando apenas uma tarifa. Na média, os curitibanos utilizam dois ônibus pagando uma única tarifa.

São 81 quilômetros de corredores exclusivos (canaletas).

O índice de acessibilidade da frota de ônibus é de 92%, o maior do país, de acordo com estudo da organização Mobilize Brasil, em 2011.

Até o final deste ano, os usuários de transporte passarão a contar, nos pontos de parada nos terminais e nas estações tubo com painéis luminosos indicando o horário e o tempo previsto para a chegada do próximo ônibus.

O sistema foi implantado neste mês, com o início de funcionamento do Centro de Controle Operacional do Transporte Coletivo e do Trânsito. O próximo passo será a implantação dos painéis nos terminais e estações fazendo com que a informação chegue diretamente ao usuário. 
Tags: Curitiba