Soja

Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018


Valor Econômico - 15 jan 2019 - 09:30

As importações chinesas de soja em grão alcançaram 5,72 milhões de toneladas em dezembro, 40% menos que no mesmo mês de 2018, conforme informações divulgadas pelo serviço aduaneiro do país asiático. Com isso, em todo o ano passado, as compras recuaram 7,9%, para 88 milhões de toneladas. Foi a primeira retração desde 2011. A China encabeça as importações mundiais da matéria-prima.

Apesar de o serviço aduaneiro ainda não ter divulgado a divisão das importações da oleaginosa por país, tudo indica que o fornecedor mais afetado foi os Estados Unidos, por causa das disputas comerciais travadas entre Washington e Pequim. Maior exportador de soja do mundo, o Brasil foi beneficiado pela briga envolvendo seu principal concorrente nesse mercado, os EUA - que passaram a pagar tarifa de 25% para vender à China -, e viu suas exportações baterem um novo recorde histórico no último ano.

A tensão entre os dois países arrefeceu no fim de novembro, quando os presidentes Donald Trump e Xi Jinping anunciaram, em reunião do G-20, uma trégua. Desde então, a China importou cerca de 5 milhões de toneladas de soja dos EUA em dezembro. "Mas enquanto a tarifa de 25% continuar em vigor, as importações regulares dos EUA continuarão muito caras, e o Brasil continuará o fornecedor preferencial", avaliou, em nota, o Commerzbank.

Segundo o serviço aduaneiro chinês, as importações de óleo de soja do país cresceram 22% em dezembro, para 742 mil toneladas, e 9% em 2018, para 6,29 milhões de toneladas.