Soja

Commodities: Preço da soja atinge maior patamar desde junho de 2018 em Chicago


Valor Econômico - 15 set 2020 - 10:57

Os preços da soja voltaram a subir na bolsa de Chicago nesta segunda-feira, impulsionados por um novo informe de venda do grão americano para a China. A valorização dos lotes para novembro foi de 0,35%, ou 3,5 centavos de dólar, para US$ 9,995 o bushel. Trata-se do maior patamar desde junho de 2018, segundo cálculos do Valor Data.

Nesta segunda-feira, exportadores dos EUA relataram a venda de 479 mil toneladas de soja para a China com entrega prevista para esta safra, que teve início oficialmente no dia 1º, segundo o departamento de agricultura do país (USDA). Outras 318 mil toneladas foram negociadas com destinos não revelados.

Além dos sinais de boa demanda, o corte na estimativa do USDA para a produção americana, em relatório divulgado na sexta-feira, também contribuiu para o cenário positivo.

O órgão americano reduziu, embora menos do que esperavam os analistas, sua estimativa para a colheita em função dos problemas climáticos. O cálculo passou para 117,4 milhões de toneladas, 3 milhões menos que o estimado em agosto, mas volume ainda 21,4% maior que o registrado no ciclo 2019/20.

No caso do milho, os contratos futuros para dezembro subiram 0,27%, ou 1 centavo de dólar, para US$ 3,695 o bushel.

De acordo com a consultoria RJO Futures, a expectativa de que os problemas climáticos na China inflacionem os preços do milho nas bolsas chinesas contribuiu com a alta observada em Chicago nesta segunda-feira.

“O mercado está em uma condição de sobrecompra no curto prazo, mas a tendência continua altista, e o aumento nos contratos em aberto sugere que os corretores de fundos estão construindo uma posição comprada”, acrescentou a consultoria à Dow Jones Neswires.

Conforme relatório divulgado na sexta-feira pela Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC, na sigla em inglês), os fundos aumentaram em 80% a aposta na alta dos preços do milho. Até 8 de setembro, a posição líquida era de 33.494 contratos comprados, ante 18.659 contratos também comprados na semana anterior.

Ainda na bolsa de Chicago, os preços do trigo subiram nesta segunda-feira, após recuarem 1,14% no pregão anterior. A alta dos contratos futuros para dezembro foi de 0,69%, ou 3,75 centavos de dólar, para US$ 5,4575 o bushel.

Segundo a consultoria Allendale, a perspectiva de clima seco nos EUA poderá indicar novas perdas nas lavouras americanas. “Temperaturas mais altas são esperadas no Meio-Oeste esta semana, com atividade limitada de chuvas”, avaliou a consultoria agrícola DTN à Dow Jones Newswires.

Além dos fatores climáticos, a alta dos preços do trigo russo também ajudou para a alta em Chicago. "Enquanto os preços do trigo russo continuarem subindo, Chicago seguirá na mesma direção geral", disse Charlie Sernatinger, da ED&F Man Capital à Dow Jones Newswires.

Para o trigo russo, a forte demanda de compradores como a Turquia está impulsionando os preços, levando-os a mais de US$ 220 por tonelada.

Naiara Albuquerque e Fernanda Pressinott – Valor Econômico