Mamona

Estiagem provoca queda de 60% na produção de mamona na Bahia


Globo Rural - 09 jul 2012 - 09:11 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
plantacao-de-mamona
A estiagem provocou quebra na safra da mamona na Bahia. Os agricultores colhem o que podem, mas pouca coisa sobrou. Não dá nem pra aproveitar a alta nos preços.

A terra seca, arrasada pela falta de chuva e que vira pó é sinal de que a agricultura sofreu no município de Riacho de Santana, no sudoeste da Bahia. Segundo o IBGE, a Bahia, maior produtor de mamona do país, deve registrar queda de 60% na produção deste ano.

O agricultor Dionísio Ferreira, do povoado de Brejo de São José, perdeu toda a mamona cultivada em três hectares. “Eu esperava colher de três a quatro mil quilos de mamona. Agora, tem que ficar sem nada”, diz.

De acordo com a EBDA, Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola, o volume de chuva não chegou à metade do previsto para o período. “A média pluviométrica ficou em torno de 500 a 1,2 mi milímetros ao ano. Esse ano, a gente tem registrado 320 milímetros divididos entre janeiro e março”, diz o agrônomo Alexsandro Ramos.

Foram plantados cerca de 130 hectares de mamona no povoado de Brejo de São José. A maioria dos agricultores sofreu de alguma maneira com a falta de chuva. Em algumas áreas as plantas não germinaram. Em outras áreas, as plantas alcançaram a altura máxima de 1,40 metro. Em situações normais, as plantas atingiram cerca 1,90 metro de altura.

A mamona é usada principalmente como matéria-prima para a produção de biodiesel. Toda produção da região é vendida para a Petrobras, que este ano aumentou o preço da semente, que sai por R$ 1,80 o quilo para o produtor. Houve aumento de R$ 0,70 em relação à safra passada.

A estiagem também provocou queda de 50% na safra no Ceará, segundo produtor de mamona do país. Os dados são do IBGE.
Tags: Mamona