PUBLICIDADE
cremer cremer
Dendê / Palma

Pará assina protocolo para produção sustentável de dendê


Agência Pará - 28 ago 2014 - 14:41
ParaProtocoloDende 280814
O governo do estado do Pará oficializou nessa terça-feira (26) o Protocolo de Intenções Socioambiental da Palma do Óleo. A iniciativa pretende somar força do poder público e da iniciativa privada para executar ações conjuntas voltadas ao desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do óleo de palma.

O protocolo foi elaborado pelo estadual, como resultado de um esforço de três anos para expandir, de forma sustentável, a atividade em áreas já antropizadas, ou seja, que já foram desmatadas e podem ser utilizadas para o plantio. Atualmente, o Pará possui 300 mil hectares de áreas plantadas de palma, com os maiores grupos nacionais e internacionais já instalados no território paraense. Entretanto, o Estado tem potencial para ocupar o topo da cadeia mundial, com cerca de 12,5 milhões de hectares disponíveis para a atividade, ultrapassando países como a Indonésia e a Malásia – respectivamente o primeiro e o segundo maiores produtores desta commodity.

“Este documento marca o compromisso desta atividade produtiva com a sustentabilidade. De fato, nós temos tido um avanço na produção do dendê no Estado, mas isso não tem sido atrelado ao avanço do desmatamento. Nos municípios onde o dendê tem sido implantado foram utilizadas áreas já antropizadas, que já tinham sido degradadas e contribuído muitas vezes para a recuperação das matas ciliares e das áreas de preservação permanentes”, declara o secretário extraordinário para a coordenação do Programa Municípios Verdes, Justiniano Netto, que também elogia a cultura de responsabilidade corporativa das empresas do setor ao trabalharem em parceria com os agricultores familiares. 

Roberto Yokoyama, diretor da Associação Brasileira dos Produtores de Palma (Abrapalma), destaca a importância econômica do setor que já injeta mais de R$ 600 milhões por ano no estado. “Abrapalma representa um segmento que atualmente gera mais de 20 mil empregos diretos no Pará, a partir da atuação de oito empresas em 23 municípios. Nossas empresas são parceiras de mais de mil famílias no programa de agricultura familiar”, explica o diretor. “Nossos investimentos somados aproximam-se da casa de dois bilhões de reais”, completa.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção, Davi Leal, o agronegócio representa a força econômica do estado e do país. “No Pará, em 2011, este setor gerou negócios de R$ 4,8 bilhões. Isto representa 6% do PIB paraense, com um crescimento real e positivo de 2,74%. Com isso, temos tudo para continuarmos crescendo com a ajuda da palma, tanto com a produção quanto na geração de empregos, por isso a assinatura deste protocolo merece todo o destaque”, detalha o secretário de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção, Davi Leal.

A assinatura do Protocolo de Intenções Socioambiental da Palma do Óleo foi feita por representantes das Secretarias de Agricultura do Estado do Pará, de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção (Sedip), de Estado de Meio Ambiente, Programa Municípios Verdes, Federação de Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), Banco da Amazônia, Associação Brasileira dos Produtores de Palma (Abrapalma), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural e demais instituições relacionadas à produção.

Com adaptações BiodieselBR.com