Dendê / Palma

Evento discute produção sustentável da palma no Pará


BiodieselBR.com - 25 out 2012 - 10:04 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
semana palma_para_241012
Aconteceu essa semana na capital paraense, Belém, a Semana Técnica da Palma Sustentável. O evento é promovido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente na Amazônia (Imazon), Proforest Initiative e conta com o apoio do governo estadual e pretende difundir o conhecimento técnico sobre a produção da palma de óleo. O evento se prolongou até essa quarta-feira (24).

A ideia do encontrou foi de ampliar o espaço de diálogo entre os empreendedores do segmento, o governo e as organizações da sociedade civil e diversas outras entidades que se propõem em estudar o andamento do plantio do dendê no território do estado. As discussões servirão como base para a criação de um plano de ação para conscientização e capacitação a respeito de formas sustentáveis para a sustentável da palma de óleo na região.

Para contextualizar a posição da cultura de palma do Pará no mundo e esclarecer sobre a visão do governo e dos demais setores da produção, o titular da Secretaria Especial de Estado de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção (Sedip), Sidney Rosa, falou sobre o potencial de crescimento da cultura no território paraense. Segundo ele, o governo estadual trabalha com a perspectiva os plantios superem um milhão de hectares de palma nos próximos 15 anos. “Dessa forma podemos trazer o desenvolvimento para a região investindo no plantio da palma”, disse.

Exemplo malaio
O titular da Sedip trouxe o exemplos colhidos por uma comitiva do governo paraense que esteve recentemente na Malásia – segundo maior produtor de palma de óleo do mundo. De acordo com Rosa, a palma trouxe um grande saldo para o desenvolvimento do país do sudeste asiático nos últimos 40 anos. 

A área plantada na Malásia já supera os quatro milhões de hectares e sustenta uma ampla indústria de esmagamento e processamento do óleo obtido. “É este o exemplo que buscamos conseguir para o Pará para os próximos anos” concluiu.

A expansão do plantio de palma no mundo vem motivando sérias preocupações a respeito dos impactos ambientais dessa cultura, em especial depois que ONGs ambientalistas começaram a divulgar um quadro bastante sombrio sobre a forma como as lavouras vêm substituindo áreas de florestas tropicais nativas tanto na Malásia quanto na Indonésia. Existe o medo do que um processo similar possa se repetir na região amazônica.

Fabio Rodrigues – BiodieselBR.com
Com informações Agência Pará

Evonik