Em Foco

Edson Silva responde denúncias da revista Época


Edson Silva - 05 ago 2011 - 10:10 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Edson Silva enviou nota à BiodieselBR comentando as informações publicadas pela revista Época nas reportagens “Agência Nacional da Propina” e “O dinheiro era para o Partido". Confira abaixo a carta na íntegra:

MENTIRAS, SANDICES, HIPOCRISIAS E HISTORINHAS EVASIVAS

Há pouco mais de dois anos, precisamente no dia 24 de maio de 2009, em meio a uma onda de denúncias contra o governo Lula, parte das quais serviu de base para instalar a chamada CPI da Petrobrás, o jornal Correio Braziliense publicou matéria com o título “Uma Agência nada CAMARADA”. Ali, o jornalista tentou depreciar a Agência Nacional do Petróleo – ANP – e profissionais vinculados ao PC do B que nela trabalhavam.

Citando a advogada Vanuza Sampaio, a matéria me fez a mesma acusação leviana, agora retomada por ÉPOCA; dizia que a denuncia já havia sido “levada à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal no Rio de Janeiro, onde se transformou em um inquérito. E cobrava pelo fato de ainda não ter surtido ‘desdobramento judicial ou político’”.

De pronto, acionei a Justiça, por meio  do dr. Valmir Batista, ex-presidente, por dois mandatos, da seccional gaúcha da OAB. Concluímos que a interpelação judicial seria o melhor remédio nas circunstâncias. E assim o fizemos no dia 5 de junho daquele ano, como primeira etapa de um procedimento, que iria processar a denunciante, caso confirmasse o que supostamente declarou.

Eis que, a advogada negou a autoria do dito pelo Correio Braziliense, de quem, inclusive, exigiu fosse publicada, como o foi, uma retratação. Tenho em mãos, e coloco à disposição, a longa resposta à interpelação judicial.  

A revista ÉPOCA retoma agora, pouco mais de dois anos depois, o mesmo assunto. A ANP imediatamente respondeu com nota objetiva, desmontando as mentiras.

O escriba da revista ignorou. Disse ele: “A ANP chegou a anunciar que a advogada Vanuza foi interpelada judicialmente – e que teria negado qualquer acusação contra o comunista Edson Silva. Não é verdade. ‘Fui interpelada em razão de uma matéria que saiu na imprensa contra o senhor Edson Silva. Apenas neguei que fosse fonte da referida matéria. Nunca voltei atrás em nada’” – teria declarado a entrevistada.

Isto é que não é verdade! Aos fatos: “Neste particular - diz Vanuza, em 8 de julho de 2008, ao Exmo. Sr. Juiz da 32ª Vara Criminal da Capital (RJ), em resposta à minha interpelação -, tal e qual o Sr. Edson Silva, ficou a interpelada perplexa ao tomar conhecimento da reportagem (a do Correio Braziliense), na medida em que jamais concedeu qualquer entrevista para referido periódico”. E acrescentou: “... da mesma forma como nunca assim o fizera (dar entrevista) para qualquer outro (periódico), no intuito de criticar ou denunciar o agir do interpelado, no exercício de seu importantíssimo múnus público” (grifo nosso). Alguns parágrafos depois, Vanuza escreveu: “Bem por isso, a interpelada nunca se sentiu prejudicada ou perseguida pelo interpelante” (grifo nosso). Confrontando essas declarações, prestadas em juízo, com o que é dito nas matérias, fica claro que jornalista, revista e Vanuza são artífices de uma descarada armação.

Um diálogo é transcrito pela revista:
“ÉPOCA – Que tipo de parceria Edson Silva queria fazer?
Vanuza – Uma coisa louca. Queria que eu passasse metade dos meus negócios para ele (grifo nosso), que fosse sócia dele. Queria até ditar regra de quanto cobrar.
ÉPOCA – Ele fez essa proposta?
Vanuza – Não”.

Apesar da negativa da advogada, o referido diálogo nunca existiu. A advogada Vanuza participou de reunião por mim acompanhada, na sala de reuniões da Superintendência de Abastecimento, o que fiz na presença de um técnico da Superintendência, como sempre procedi em circunstâncias como aquela, para tratar de tema regulado pela agência.

A certa altura do diálogo transcrito, Vanuza se sai com essa: “... os dois me levaram ao encontro do Edson, num café de uma livraria que fica na Avenida Rio Branco (centro do Rio). O Edson não falou em dinheiro, mas avalizou o nome deles. Que dia foi, a que horas? Informe para confrontar com minha agenda e com os controles eletrônicos da ANP. Esse encontro nunca aconteceu, é outra mentira deslavada.  

Nunca, em circunstância nenhuma, autorizei quem quer que fosse a falar em meu nome, mediando seja lá o que for, menos ainda a “trampa” narrada na matéria, atribuída a “dois assessores” da ANP. É muito simples, tanto quanto irresponsável, alguém usar o nome de outrem para arrancar o que lhe parece conveniente. É igualmente irresponsável, um órgão de imprensa veicular essa atitude, sem qualquer preocupação com a honra do atingido.

E, frise-se, esse emaranhado “integra, como diz o escriba da ÉPOCA, uma investigação sigilosa, iniciada pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro”. Como a revista teve acesso ao que é sigiloso?

São versões rudimentares, contadas por uma vítima de araque e repercutidas por um jornalista especializado no ofício da provocação e do sensacionalismo barato. Luvas e mãos perfeitas. A advogada Vanuza se revelou bem astuta nessa montagem. Experiência, aliás, não lhe falta no relacionamento profissional que acumulou junto a clientes conhecidos por usar de subterfúgios para driblar as regras estabelecidas, fraudar o fisco e adulterar combustíveis. Tantos desses clientes tiveram seus registros cancelados, inclusive em minha gestão; outros funcionaram provisoriamente à base de liminar judicial, posteriormente cassada.

O compromisso da revista não é com a inteireza dos fatos. Tudo está sendo feito, por ÉPOCA e outros organismos da imprensa brasileira, inclusive o recurso do preconceito medieval (“... o comunista Edson”), para alimentar artificialmente um ambiente de denuncismo e incertezas, de modo a desqualificar o governo e paralisar suas ações. Quem tem dúvidas é só refletir sobre o que dizem Vanuza e Diego Escosteguy, da ÉPOCA: “(...) Não falam em fazer faxina no país? Agora cabe ao MP e ao governo fazer a parte deles. O que fizeram até agora?”. A mensagem de pressão é óbvia.

Retomo a manifestação da advogada Vanuza junto ao Juiz, em resposta à minha interpelação: “Será que o Sr. Edson assoberbará o Poder Judiciário com uma miríade de interpelações? (...) Com essas ponderações finais, a interpelada, ao passo em que se desincumbe de seu ônus processual, aproveita a oportunidade para enviar os seus votos de consideração profissional ao atual Superintendente da ANP, Sr. Edson Menezes da Silva”. É irônico, mas tá lá no pronunciamento da fulana.

Caros amigos (as), sublinho minha consciência critica de que a valorização do espaço público, essencial à construção de uma relação social com progresso e humanismo, se faz de várias formas, entre as quais, e de modo acentuado, praticando a ética em todos os momentos. Consciente de minhas responsabilidades e em defesa do patrimônio político e intelectual que construi ao longo da vida, muitas vezes em circunstâncias duras, de exílio e clandestinidade, vou buscar na Justiça ser reparado, processando os mentores da vilania que, descaradamente, está sendo despejada na opinião pública. É preciso separar o joio do trigo. Quem não deve não teme!  

RJ, 02/08/2001
Um abraço, Edson Silva

Tags: Anp