Em Foco

Agrenco cai 51% em sua volta à bolsa


Valor Ecônomico e Monitor Mercantil - 11 jan 2011 - 07:05 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:15

Depois de 11 meses impedidos de trocar de mãos, os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da AgrencoLimited voltaram à negociação na BM&FBovespa com queda de 51,2%, para R$ 1,41. A última referência de preço do papel era de 10 de fevereiro de 2010, quando fecharam a R$ 2,89. Ontem, giraram R$ 28,031 milhões, depois de 5.107 negócios.

O valor de mercado da empresa ficou em R$ 217 milhões. Em outubro de 2007, em sua oferta inicial de ações na bolsa, captou R$ 716 milhões.
Apesar de forte, a queda foi menor do que muitos esperavam. Ontem, os fóruns de discussão, que reúnem pequenos investidores, estavam repletos de comentários sobre a companhia.

Havia os que comemoravam a liberação da negociação dos papéis e aqueles que se mostravam apreensivos sobre qual seria a proporção da queda - e muitos apostavam que, em minutos, o BDR valeria centavos, o que não se confirmou. Na mínima do dia, chegou a valer R$ 1,14, em baixa de 60,5%. Na máxima, alcançou R$ 1,63, com perda de 43,5%.

Muitas pessoas físicas operavam com o papel, em particular em 2009, quando os BDRs da Agrenco acumularam alta de 1.195%. Àquela época, muitos pequenos investidores operavam com ações que valiam centavos e provocavam forte altas dos papéis - o mesmo ocorreu com Laepe e Brasil Ecodiesel, por exemplo. Só que os detentores de Agrenco, que já se encontrava em recuperação judicial no Brasil, foram surpreendidos pela interrupção das negociações.

Isso porque a empresa passou a ter dificuldades após a prisão, em 2008, de seu fundador, Antonio Iafelice, e outros executivos, pela Polícia Federal, sob suspeitas de crimes que iam de sonegação fiscal a fraude de balanço. No ano passado, eles foram absolvidos sob a alegação de que as provas eram nulas. Mas a empresa deixou de publicar balanços e só regularizou a situação no dia 6 deste mês.

Para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o fato de os números estarem disponíveis libera a negociação. A auditora BDO apresentou parecer com "negativa de opinião", o que significa dizer que as ressalvas são tantas que não é possível atestar que os dados apresentados estão de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

A empresa possui R$ 1,273 bilhão em prejuízos acumulados. O patrimônio líquido está negativo em R$ 507 milhões
Valor Econômico

Reestruturação não foi sinalizada

Contando com a possibilidade de uma possível melhoria com a divulgação dos resultados já nos relatórios trimestrais do ano passado, os acionistas da Agrenco Ltd. se surpreenderam com os números apresentados e correspondentes ao período.

De janeiro ao final de setembro de 2010, por causa das receitas financeiras, a companhia apresentou lucro de R$ 10,53 milhões, sendo que R$ 41,27 milhões foram obtidos no terceiro trimestre. Esse resultado positivo, no entanto, reduziu o prejuízo acumulado para R$ 1,27 bilhão e o patrimônio líquido permaneceu negativo em R$ 570,66 milhões.

Após receberam as demonstrações financeiras, na última sexta-feira, a Comissão de Valores de Mobiliários, quase um ano após ter ordenado a suspensão da negociação dos BDRs (Brazilian Depositary Receipts), permitiu que tais títulos voltassem a ser negociados nesta segunda-feira na Bovespa. E como não existiam motivos para comemoração, após leilão para a formação de preço, os papéis foram cotados a R$ 1,44, o que significa desvalorização de 50,27% em relação aos R$ 2,89 registrados no último pregão do qual os BDRs participaram em 10 de fevereiro do ano passado.

Devido a essa exagerada queda, os papéis foram novamente colocados em leilão, sendo que desta vez a cotação chegou a R$ 1,20, com perdas de 58,59%. A partir daí aumentou a quantidade de vendedores e foi registrada a cotação mínima de R$ 1,14. No final do pregão a cotação se situou em R$ 1,41, com perdas de 51,21%.

Reversão
A Agrenco é uma empresa cujos controladores são brasileiros. Porém, como sua sede está registrada em Bermudas, seus dirigentes alegam que pela leis daquele paraíso fiscal é facultado à companhia ter um objeto social amplo que lhe permita realizar os atos diretamente ligados ou incidentais à condução dos negócios e a busca de nossos adjetivos. A CVM reverteu, na última sexta-feira (7), a suspensão do registro de emissor estrangeiro da companhia, pois a companhia entregou as periódicas que encontravam-se em atraso.

No resultado apresentado ao mercado na última quinta-feira, os administradores da Agrenco ratificaram o compromisso com os acionistas para a condução das operações da empresa no âmbito da recuperação judicial a que estão submetidas as quatro empresas brasileiras - Agrenco do Brasil, Agreco Serviços de Armazenagem, Agrenco de Bens e Agrenco Bioenergia Indústria e Comércio de Óleos e Biodiesel.

As disparidades
No segundo trimestre do ano passado a companhia registrou receitas operacionais de apenas R$ 162 mil, porém, no terceiro trimestre houve aumento no desempenho surpreendente e chegaram a R$ 6,87 milhões. E até junho houve prejuízo de R$ 55,14 milhões, que virou lucro de R$ 10,53 milhões no final de setembro.

Os números da Agrenco foram completamentados com o resultado das operações financeiras. Diversos analistas consultados não conseguiram explicar como uma empresa que tem um endividamento de R$ 984,43 milhões pode, entre julho e setembro, obter uma receita financeira de R$ 80,76 milhões e despesas financeiras de R$ 16,86 milhões.
Tags: Agrenco