Univaldo Vedana

Como estruturar um projeto de biodiesel com óleo de cozinha


Univaldo Vedana - 16 jul 2009 - 13:17 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:09

Em razão dos inúmeros pedidos de explicações e orientações que tenho recebido sobre a utilização do óleo de cozinha como matéria-prima para o biodiesel, vou destacar alguns pontos que merecem toda a atenção na montagem de um projeto dessa natureza:

•    Apoio e parceria com a Prefeitura Municipal
•    Apoio e parceria com a companhia de saneamento
•    Estimativa da quantidade de óleo que pode ser recolhido
•    Organização da coleta
•    Empresário disposto a investir na usina

A necessidade de parcerias com prefeituras tem como principal função a reeducação da dona de casa. São elas que vão ajudar a ensinar as pessoas a colocar o óleo em um recipiente e guardá-lo ao invés de jogar no ralo da pia, vão ensiná-las a mudar os hábitos. A prefeitura também poderá ser a grande consumidora do biodiesel produzido, caso seja adotado um sistema onde a prefeitura faz a coleta e a usina de biodiesel apenas transforma esse óleo em biodiesel, em um sistema de prestação de serviço. Esse tipo de operação é necessária para não ter que pagar os impostos que incidem na venda do biodiesel. São R$ 0,218 por litro de PIS/COFINS e mais 12% de ICMS. Se não usar esse sistema de troca, e o biodiesel for vendido ao preço de R$ 2,00 o litro, será preciso pagar R$ 0,45 centavos de impostos.

A reeducação também pode acontecer nos estabelecimentos de coleta, mas o alcance será muito menor e mais lento.

Buscar apoio da companhia de saneamento também é importante para o projeto. Como a empresa de saneamento é a primeira a ser beneficiada com a redução de gorduras no esgoto, ela pode auxiliar na divulgação e conscientização de todos os consumidores, através do envio de um informativo junto com a conta de água.

Para o sucesso do projeto não basta o apoio da prefeitura e da empresa de saneamento. Se o objetivo for a produção de biodiesel e você não possuir recursos financeiros para montar uma usina, é preciso buscar um empresário que esteja disposto a investir em uma pequena unidade de biodiesel. Não acredito muito no sucesso de uma usina administrada pela prefeitura.

Um projeto de biodiesel com óleo de cozinha não deve contemplar a construção de uma grande usina de biodiesel, mas sim de uma pequena unidade trabalhando com óleos e gorduras. Atualmente temos grandes produtores de biodiesel incentivando a coleta de óleos usados. Mas estes não visam lucro, estão apenas colaborando com o meio ambiente e mostrando à opinião pública que estão preocupados com a preservação ambiental. É difícil para uma grande usina, trabalhando com processo contínuo, adicionar uma quantidade esporádica e pequena de óleo usado na linha de produção.

Portanto a capacidade da usina deverá ser dimensionada de acordo com o volume de descarte de óleo da região e da eficiência da coleta a ser conduzida. Deve ser feito também a previsão da utilização de outros óleos e gorduras, para o caso de eventuais interrupções no fornecimento do óleo de cozinha.

E por fim, pelas atuais tributações, uma pequena usina não pode nem pensar em vender biodiesel. Obrigatoriamente deverá produzir biodiesel como prestadora de serviços para a prefeitura e outros consumidores.

Univaldo Vedana é analista do setor de biodiesel e responsável pela primeira fábrica de biodiesel do país abrangendo todo o processo de produção.