Univaldo Vedana

A Agricultura Familiar e o Biodiesel


Univaldo Vedana - 09 jan 2007 - 22:55 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:22

O programa brasileiro de biodiesel foi idealizado e implementado visando inserir a agricultura familiar na agroenergia. Em resumo, a agricultura familiar produziria matérias primas para biodiesel e com isto estaria resolvido o problema de emprego, renda e produtividade na pequena propriedade rural brasileira. Acabaria a migração dos cortadores encapuzados de cana, de colhedores de café e laranja, principalmente do nordeste brasileiro.

Este objetivo foi aplaudido por todos, realmente seria a salvação das pequenas propriedades rurais.

Então qual foi o erro? Eleger a mamona como a planta do biodiesel. O governo e os coordenadores do programa talvez não ficaram sabendo à época que a média brasileira de produção de mamona não alcançava 700 quilos por hectare, precisa de terra fértil para produzir, e com esta produção não assegura renda alguma ao pequeno produtor rural. Paralelo a isto, em algumas regiões que os pequenos produtores produziram mamonas, a exemplo da região de Irecê na Bahia, na hora de venderem sua produção o poder econômico das poucas empresas compradoras jogaram o preço da saca abaixo do preço de custo e o resultado foi um belo prejuízo.

Nós não temos dúvidas que a agricultura familiar participará na produção de matérias primas para biodiesel. Não da forma plante que alguém garante.

A produção de oleaginosas para biodiesel através da agricultura familiar deve se sustentar em parcerias com usinas de biodiesel regionais, produção de forma integrada, onde o usineiro levará ao produtor rural o conhecimento, as técnicas de plantio e principalmente um contrato antecipado dando garantia ao produtor que tudo o que ele produzir será comprado a um preço mínimo pré ajustado, estabelecendo condições e prazos e talvez, até algum adiantamento em dinheiro ou o fornecimento de sementes ou mudas, dependendo da oleaginosa.

Na agricultura familiar devemos incentivar o plantio de culturas que empreguem mão de obra, e não máquinas. Primeiro, porque o pequeno produtor em sua grande maioria não tem tratores, colhedeiras, arados, grades, pulverizadores, etc. e segundo, porque o que ele tem sobrando é mão de obra familiar. 

Em algumas regiões os pequenos produtores poderão plantar até a mamona utilizando técnicas agrícolas adequadas para aumentar está produtividade, mas precisamos buscar outras alternativas agrícolas, como pinhão manso,  tungue e palmáceas.
Pensem nisto!

Univaldo Vedana é diretor da BiodieselBR.com e responsável pela primeira fábrica de biodiesel do país abrangendo todo o processo de produção.

Tags: Vedana