Miguel Angelo

Nem todos gostaram do resultado do leilão de biodiesel


BiodieselBR.com - 17 abr 2008 - 15:56 - Última atualização em: 07 mar 2012 - 18:51

Hoje faz uma semana que ocorreu o primeiro leilão de biodiesel da ANP de 2008, que definiu os rumos do terceiro trimestre. Foi um pregão precedido de muita expectativa, e todos os envolvidos estavam preocupados. As usinas, obviamente, receosas que o preço de venda atingisse o mesmo ágio de disputas anteriores, o que teria efeito arrasador no balanço e na moral dessas empresas. E o governo preocupado com o Programa de Biodiesel, já que o valor de R$ 1,86 negociado no 6º e 7º leilões estava fazendo um estrago financeiro no setor.

O leilão aconteceu e o preço médio por litro ficou em R$ 2,69, cerca de 83 centavos maior que em novembro de 2007, deixando o setor mais calmo e com as esperanças renovadas. As usinas conseguiram vender biodiesel por um preço que permite lucro e ainda uma utilização razoável de sua capacidade de produção. Agora é só esperar o semestre negro passar e iniciar o B3 no terceiro trimestre com as usinas em plena produção.

Mas a alegria não foi de todos. Durante o primeiro dia de leilão, a Agrenco ofereceu biodiesel a um preço abaixo da média, muito abaixo. A empresa vendeu 39,6 milhões litros a um preço médio de R$ 2,46 por litro, 17 centavos a menos que o segundo preço mais baixo, oferecido pela ADM. A dúvida é por que fizeram um lance tão baixo e como evitá-lo.

As razões para oferecer biodiesel a um preço tão baixo podem ser várias, mas uma delas é a mensuração incorreta da oferta de biodiesel. A BiodieselBR preparou dois dias antes do leilão um texto, quase um estudo, onde mostrava que a oferta real de biodiesel no Brasil não era muito maior que os 330 milhões de litros que seriam comprados.

O texto dizia que a oferta de biodiesel nos leilões seria de 470 milhões de litros. Chegamos bem perto. A oferta foi de 473 milhões de litros. O texto ainda dizia que se a Agrenco não participasse dos leilões a oferta seria ainda menor. Levando em consideração uma margem de erro de 0,63%, a BiodieselBR acertou a quantidade de biodiesel que seria ofertada nos leilões.
 

A oferta real de biodiesel
Apesar da oferta nos dois leilões ter chegado a 654 milhões de litros, o volume real ofertado foi de cerca de 473 milhões de litros. Essa diferença ocorre porque nos 654 milhões são consideradas as ofertas dos dois leilões, inclusive as duplicadas. No primeiro dia de leilão foram arrematados 264 milhões de litros e 208 milhões de litros em ofertas foram recusadas.  No segundo dia as ofertas foram de 181 milhões de litros, menor, portanto que a sobra das ofertas do primeiro dia. Isso permite dizer que a oferta total de biodiesel não ultrapassou os 473 milhões de litros oferecidos no 8º leilão.


E o que também deve ter escapado a multinacional franco-brasileira é que haveria espaço para o biodiesel de todos, pois dividindo proporcionalmente o volume de biodiesel comprado nos leilões pela capacidade de produção de cada usina, todas poderiam vender 50% de sua capacidade. Ou seja, a situação não era desesperadora.

Talvez a Agrenco soubesse de tudo isso, mas mesmo assim achou que os outros competidores iriam preferir vender sem lucro à não vender. Mas é fato que se tivesse vendido ao mesmo preço da ADM, segundo menor preço, teria ganhado 6,7 milhões de reais a mais. Ou se tivesse vendido na média do primeiro leilão ganharia mais 9,1 milhões de reais. São valores difíceis de ignorar.

Uma curiosidade. Entre as 15 empresas com menor preço no primeiro dia de leilão apenas as empresas que deram os três menores lances não são assinantes do portal BiodieselBR.com. São essas três empresas (Agrenco, ADM e Agroplama) que ficaram abaixo do preço médio do primeiro dia de leilão. Pode ser coincidência, mas é certo que a informação faz a diferença.

Miguel Angelo Simczak Vedana
BiodieselBR.com