Décio Luiz Gazzoni

Balanço de emissões de CO2 utilizando etanol ou gasolina como combustível


Décio Luiz Gazzoni - 30 jun 2008 - 15:02 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:06

Nos últimos cinco anos, o Brasil evitou emissões de 195 milhões de toneladas de gás carbônico (CO2), devido ao uso de etanol hidratado em veículos movidos a álcool ou flex fuel, e à mistura de etanol na gasolina C. Caso o Brasil tivesse substituído toda a sua frota de veículos leves por veículos que operassem exclusivamente com etanol hidratado, as emissões evitadas teriam alcançado 501 milhões de toneladas de CO2. Pela relação de emissões entre álcool e gasolina, cada veículo que roda movido a etanol combustível, significa, em termos de emissão de CO2, que 5,6 carros movidos a gasolina não rodem nas ruas ou estradas.

Observa-se, também, que apenas as emissões evitadas com o uso de etanol no Brasil, em 2008, equivalem a 156% das emissões veiculares de CO2 na Espanha (2003) ou 79% das emissões observadas na Itália. Caso toda a frota brasileira fosse movida a etanol, as emissões evitadas equivaleriam a 306% das emissões da Espanha, 155% das emissões da Itália ou 120% das emissões do Reino Unido, registradas em 2003, pelo uso de gasolina em veículos leves.

Consumo de combustível

Consumo de etanol e gasolinaA Tabela 1 apresenta o consumo anual de etanol hidratado combustível no Brasil, de 2003 a 2008. Até abril de 2008 são apresentados valores reais de consumo, sendo projetado o consumo entre maio e dezembro de 2008 com base no acréscimo de frota previsto para este período. Igualmente, a Tabela 2 apresenta o consumo de gasolina, no mesmo período, com projeção para o período de maio a dezembro de 2008 com base no mesmo parâmetro.

Verifica-se, ao longo dos últimos anos, uma tendência clara de aumento do consumo de etanol, com estabilização ou leve acréscimo do consumo de gasolina. Esta tendência deverá não apenas continuar como acentuar-se nos próximos anos, prevendo-se, a partir do próximo ano, uma diminuição do consumo global de gasolina, em virtude da renovação de frota dos antigos veículos a gasolina, por veículos flex-fuel, que têm sido abastecidos, majoritariamente, com etanol. A relação entre o consumo anual de gasolina e de etanol hidratado, e o consumo de etanol anidro (para adição à gasolina), está representada na Figura 1.





A principal razão para a projeção de redução de uso de gasolina encontra-se na Tabela 3, onde observa-se o desaparecimento da produção de carros movidos exclusivamente a etanol e a clara tendência de substituição dos carros movidos a gasolina por carros flex-fuel. Embora um carro no conceito flex-fuel possa operar tanto com gasolina quanto etanol ou qualquer proporção de mistura dos dois combustíveis, na prática a tendência majoritária é a operação destes veículos com etanol, devido ao menor custo do etanol por quilômetro rodado.



Na Tabela 4 foram calculadas as emissões de CO2 do etanol hidratado efetivamente consumido no Brasil, entre 2003 e 2008 (com projeções do autor até o final de 2008). O cálculo das emissões baseou-se em dados do Dr. Luiz Augusto Horta Nogueira  (NIPE / UNICAMP), o qual demonstrou que, ao longo de todo o seu ciclo de vida (da formação da muda de cana até a queima do etanol no motor do veículo), ocorre uma emissão líquida de 309 kg/1000 L de etanol. Durante o ciclo, existe uma absorção/fixação de 7464 kg CO2 / 1000L contra uma emissão de 7773 kg CO2 / 1000 L de etanol. O mesmo autor estudou a emissão líquida de CO2 da gasolina, desde a extração do petróleo até a queima no motor dos veículos, estabelecendo uma emissão líquida total de 3368 kg / 1000 L.

Desta forma, verifica-se que, nos últimos 5 anos, houve uma emissão líquida de 13 milhões de t de CO2, pelo uso de etanol hidratado. Caso os mesmos veículos fossem movidos a gasolina, a emissão seria de 99 milhões de toneladas. Observa-se que, ao longo dos últimos cinco anos, o Brasil contabiliza emissões evitadas de gás carbônico de 86 milhões de toneladas. Importante verificar que, a partir de 2006 os valores de emissões evitadas são francamente crescentes, tendência que deverá manter-se nos anos vindouros, em virtude do maior consumo de etanol hidratado, comparativamente ao consumo de gasolina.

Clique na imagem abaixo para ampliar

Fonte: D. L. Gazzoni (EMBRAPA)
 
Na tabela 5 são apresentados os cálculos referentes às emissões de CO2 por uso de gasolina no Brasil, nos últimos cinco anos. Verifica-se que, no total de consumo de gasolina C, foram emitidas 372 milhões de t CO2, sendo 361 milhões de t devidas à gasolina e 11 milhões devidas ao etanol anidro. Caso não houvesse a mistura do etanol, as emissões seriam de 481 milhões de t, evitando-se, desta forma, emissões de 109 milhões de t de CO2 pela mistura de 25% de etanol à gasolina.

Na tabela 6 são computadas, de forma consolidada, as emissões devidas ao uso de etanol (extraída da tabela 3) e de gasolina C (extraída da tabela 4). Verifica-se um volume de emissões totais evitadas de 195 milhões de toneladas de CO2.

Na Tabela 7 são considerados cenários alternativos para o abastecimento da frota de veículos leves no Brasil. Se a frota nacional de veículos leves operasse exclusivamente com gasolina, teríamos uma emissão global, nos últimos cinco anos, de 580 milhões de t de CO2, contra emissões de 79 milhões de toneladas, caso a frota operasse exclusivamente com etanol. Assim, na comparação entre os dois cenários, evitar-se-iam emissões equivalentes a 501 milhões de t de CO2. Este cenário antecipa o que se supõe deva acontecer em nosso país, na década de 20.

Finalmente, a Tabela 8 apresenta o consumo de gasolina em diferentes países e suas respectivas emissões. Se considerarmos que o Brasil evitará, em 2008, emissões de 49 milhões de toneladas de CO2 (Tabela 6) devido ao uso de etanol, este valor equivale a evitar 142% das emissões da Espanha, 93% da França, 73% da Itália ou 56% do Reino Unido.

Outra análise pode ser feita cotejando-se as emissões evitadas caso toda a frota brasileira de veículos leves fosse movida a etanol (Tabela 7), no valor de 104 milhões de toneladas para o ano de 2008. Nesta hipótese, as emissões evitadas no Brasil equivaleriam a 304% das emissões em 2003 da Espanha, 156% da Itália, 200% da França e 120% do Reino Unido, também em 2003.

Tabela 8. Consumo de gasolina no ano de 2003 e respectivas emissões de CO2, em países selecionados.

País

Bilhões de L

Milhões de t CO2

% emissões evitadas no Brasil

% emissões evitadas com 100% etanol

Espanha

10

34

156

306

França

16

53

100

196

Itália

20

67

79

155

Reino Unido

26

87

61

120

Alemanha

33

112

47

93

Rússia

33

112

47

93

Canadá

38

128

41

81

Japão

58

194

27

54

Estados Unidos

478

1.612

3

6

Fonte: http://earthtrends.wri.org

Embora ainda seja precoce efetuar uma avaliação semelhante para a substituição de petrodiesel por biodiesel, de alguma forma esta análise antecipa o benefício ambiental que decorrerá da utilização crescente de biodiesel no Brasil, seja através da mistura compulsória ou por seu uso voluntário em frotas ou motores em forma individual.

Décio Luiz Gazzoni é Engenheiro Agrônomo, membro do Painel Científico Internacional de Energia Renovável.
Tags: Co2