PUBLICIDADE
cremer cremer
Negócio

Petróleo mantém recuperação, impulsionado pela fragilidade do dólar


AFP - 13 set 2022 - 08:51

Os preços do petróleo registraram o terceiro dia consecutivo de alta nesta segunda-feira (12), impulsionados por uma fragilidade do dólar e pela perspectiva de que não haja um acordo com o Irã sobre seu programa nuclear.

Em Londres, o preço do barril de Brent do Mar do Norte para entrega em novembro subiu 1,24%, fechando a 94,00 dólares.

Enquanto isso, em Nova York, o barril de West Texas Intermediate (WTI) para outubro subiu 1,14% a 87,78 dólares. O WTI alcançou, assim, seu nível de fechamento mais elevado em duas semanas.

"Os preços sobem à medida que o dólar perde força e que a perspectiva de um acordo sobre o programa nuclear iraniano se distancia", destacou em nota Edward Moya, da Oanda.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, admitiu nesta segunda que um acordo não ocorrerá "em um futuro próximo".

França, Alemanha e Reino Unido condenaram Teerã por "seguir a escalada de seu programa nuclear muito além do que se poderia justificar de forma plausível por razões civis".

O Irã, que assegura que seu programa nuclear tem objetivos civis, considerou que a declaração não era "construtiva".

Para Stephen Schork, analista e autor do Schork Report, a dinâmica atual no mercado de petróleo se deve, sobretudo, a fatores técnicos.

"Há duas semanas, o mercado se situou em alta; depois caiu muito na semana passada, e agora volta a um nível normal", resumiu.

Para o analista, a ameaça de uma nova redução das exportações russas de combustíveis, os confinamentos pela covid na China, que afeta a demanda de petróleo, ou a falta de avanços em um acordo com o Irã, já foram incorporados pelos operadores.

Segundo Schork, o petróleo permanecerá em uma faixa de 85 a 95 dólares o barril. "É a zona de conforto do mercado para os dois próximos meses", concluiu.