Negócio

Petrobras sobe preço do diesel e da gasolina em cerca de 5% a partir de hoje


Reuters - 02 mar 2021 - 08:34

A Petrobras vai elevar os preços da gasolina e do diesel em cerca de 5% a partir de terça-feira (02), informou a companhia nesta segunda-feira.

Com o reajuste, o preço médio de venda da gasolina passará a ser de R$ 2,60 por litro, alta de R$ 0,12 por litro (ou 4,8%), enquanto o diesel passará a média de R$ 2,71 por litro, aumento de R$ 0,13 por litro (5%), disse a Petrobras.

Após esse movimento, os valores do diesel, combustível mais utilizado do Brasil, passarão a acumular disparada de cerca de 34% em 2021 nas refinarias da estatal, que domina o mercado de refino no Brasil, enquanto a gasolina somará elevação de 41,5% neste ano.

A petroleira defendeu em nota que os reajustes visam seguir a chamada "paridade de importação", que leva em conta as variações do dólar e do barril de petróleo nos mercados internacionais.

O novo reajuste da Petrobras segue-se a um aumento de 15% no diesel e de 10% da gasolina anunciado em 18 de fevereiro, que gerou críticas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e acabou levando à indicação pelo governo de um novo presidente para a Petrobras logo no dia seguinte.

Em meio a críticas à política da Petrobras para os preços dos combustíveis, Bolsonaro decidiu indicar o general reformado Joaquim Silva e Luna para assumir o comando da companhia a partir de 20 de março, após o final do mandato do atual presidente da empresa, Roberto Castello Branco.

A decisão de não reconduzir Castello Branco à presidência após o fim de seu mandato em março será discutida pelo conselho de administração da companhia. O movimento de Bolsonaro representa uma derrota para o ministro Paulo Guedes (Economia), que defendia a permanência do atual executivo no cargo e era contra intervenções na companhia.

O presidente Bolsonaro também anunciou que seu governo pretende zerar por dois meses os impostos federais que incidem sobre o diesel, como forma de "contrabalançar" o reajuste da Petrobras.

“O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello Branco”, disse uma nota publicada por Bolsonaro em uma rede social.

Luna é ex-ministro da Defesa e atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional. A indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras e das queixas de caminhoneiros pela alta dos combustíveis.