Negócio

Para BP crescimento da exploração por petróleo deve parar na década de 2030


Agência Lusa - 21 fev 2018 - 18:08

O crescimento da procura mundial de novas fontes petróleo vai parar durante os últimos anos da década de 2030. A projeção é da petrolífera britânica BP que divulgou nessa terça-feira (20) na sua análise anual das perspectivas do mercado de energia.

Segundo "Energy Outlook 2018", o aumento da produção de petróleo de xisto pelos EUA vai determinar o crescimento da oferta na próxima década. Em torno de 2030, porém, os analistas previram que os produtores do Médio Oriente vão adotar novas estratégias para aumentar a sua fatia de mercado.

O crescimento na demanda no setor de transportes também deve começar a apresentar sinais de esfriamento antes da década de 2040. Em parte isso será alimentado pelo maturação dos veículos elétricos que, por volta de 2040, devem representar 15% dos automóveis e 30% da quilometragem rodada por veículos leves.

Mesmo assim, "a ideia de que o rápido crescimento dos carros eléctricos vai provocar o colapso da procura de petróleo simplesmente não está apoiada nos números primários", assinalou, em comunicado, o economista-chefe do grupo, Spencer Dale.

De qualquer forma, a desaceleração no setor de transportes fará com que a principal fonte de crescimento por óleo passe a vir de usos "não combustíveis" – em particular como matéria-prima para a indústria petroquímica.

Durante o período considerado, a BP antecipa que a procura de gás natural vai crescer "de forma sólida" e chegar a superar o carvão como a segunda fonte de energia global.

Renováveis

A BP antecipou também um aumento em 400% das energias renováveis, avanço este impulsionado pela crescente competitividade da produção de energia solar e eólica.

Os subsídios a estas fontes devem desaparecer de forma paulatina a partir da segunda metade da década de 2020, à medida que possam fazer concorrência às energias fósseis.

A China será a principal fonte de crescimento neste setor, acrescentando mais potência a partir de fontes renováveis do que todos os estados membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE) ao longo dos próximos 20 anos. "Em 2040, o petróleo, o gás, o carvão e os combustíveis não fósseis vão representar, cada um deles, um quarto da energia mundial", previu Dale.

O cenário analisado pela BP contempla um aumento das emissões de dióxido de carbono em 10% até 2040. Apesar de se tratar de um aumento mais lento do que o ocorrido nos últimos 25 anos, "todavia está acima da acentuada descida que é necessário para conseguir cumprir os objetivos" do Acordo do Clima de Paris, preveniu o grupo petrolífero.

Com adaptação BiodieselBR.com