analises

[Análise] Vale no biodiesel: receio e motivação


BiodieselBR - 09 jun 2008 - 14:17 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:06

A entrada da Vale na produção de biodiesel para consumo próprio inaugura o ingresso de grandes consumidores de diesel nesse setor. A Vale é a maior consumidora de diesel do Brasil, utilizando anualmente cerca de dois bilhões de litros.

Embora a mineradora ainda não confirme sua entrada na produção de biodiesel, a matéria-prima de interesse será o dendê, cuja produção se dará no Estado do Pará. Segundo informações obtidas pela BiodieselBR, a empresa pretende plantar 50 mil hectares de dendê, com uma variedade desenvolvida na Costa Rica cuja produção inicia a partir de 18 meses.

A mineradora brasileira produzirá matéria-prima através da agricultura familiar em arranjos produtivos integrados com garantia de compra de toda a produção. A companhia pretende fortalecer sua imagem de empresa social e ambientalmente correta junto à população e seus clientes.

Para o setor de biodiesel essa informação causa receio e motivação. O receio é causado porque um gigante entrará em um setor ainda novo e um concorrente desse porte assusta. O fato dela inicialmente consumir o biodiesel que produz, não significa que ela fará isso para sempre e em algum momento ela pode aumentar sua produção ou mudar o destino. Mas esta é uma possibilidade remota. Quem deve estar especialmente em alerta é a Agropalma, já que a Vale poderá concorrer no mercado de óleo de palma, o que obviamente, está longe do negócio atual da mineradora.

Por outro lado a entrada da Vale no setor de biodiesel traz motivação extra para as empresas que já fazem parte deste mercado. Pois mostra que ela enxergou viabilidade no longo prazo e a escolha do dendê como principal matéria-prima reforça essa idéia. O estudo da companhia deve ter mostrado um panorama lucrativo para o negócio.

A entrada da Vale é diferente da Petrobras, que sofre influência muito mais forte das diretrizes do governo. Isso ajuda a colocar o mercado em uma ótima perspectiva futura. É provável que apareçam mais grandes empresas concorrendo neste que promete ser um mercado promissor.

Fato que reforça a idéia de consumo próprio é a área de 50 mil hectares destinada para plantio de palma. Levando em conta uma produtividade média de cinco mil litros de óleo por hectare, a Vale poderia produzir 250 milhões de litros de biodiesel por ano, 12% do volume de diesel consumido pela mineradora. E para atingir a meta de B20 a companhia ainda precisaria adquirir biodiesel do mercado.

A análise desta semana continua na página:

[Análise] Alimento: participação dos biocombustíveis



Tags: Vale