analises

[Análise] O preço da Petrobras


BiodieselBR.com - 09 mar 2009 - 07:45 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:08

A Petrobras Biocombustíveis (PBio) apresentou na semana passada os motivos que a levaram a ofertar biodiesel ao preço de R$ 1,70. São motivos que parecem plausíveis, mas que sob um olhar mais profundo trazem alguns questionamentos.

A estatal justificou dizendo que precisava vender todo o biodiesel possível para que fossem feitos os testes de aceitação com a fornecedora de tecnologia. À primeira vista este motivo parece coerente, pois qualquer empresa depois de investir dezenas de milhões de reais vai querer ter certeza que o que comprou está funcionando corretamente. Entretanto, não é prática usual produzir em capacidade máxima por tanto tempo para que a usina seja aceita. A prática usual adotada no mercado brasileiro de biodiesel são apenas alguns dias, quando muito uma semana.

Mesmo não sendo comum a necessidade de produzir em plena capacidade por tanto tempo, a Petrobras pode ter colocado esse diferencial em contrato; e, além disso, o presidente da PBio disse que queria verificar os pontos que precisam de investimentos para “desengargalar” as usinas de Quixadá e Montes Claros. Talvez essa verificação é que leve mais tempo do que os testes de aceitação, mas se assim fosse não seria necessário vender toda a produção de Cadeias, que aparentemente não precisa ser desengargalada.

O outro motivo dado para o preço baixo é que ele não seria menor que o custo variável da produção de biodiesel. O que é esse custo variável não foi muito bem explicado, mas a idéia transmitida é que seria todo o custo de produção de biodiesel, com exceção do custo de pessoal. Será realmente uma façanha a PBio conseguir produzir e vender biodiesel a R$ 1,70 com algum lucro comprando o óleo de soja.

Usinas de biodiesel que são também esmagadoras de soja podem produzir biodiesel e vendê-lo a esse preço com lucro. Isso porque compram a soja, esmagam, vendem a torta e usam o óleo para fazer o biodiesel. A venda da torta compensa os custos de esmagamento e diminui o custo do óleo. Essas empresas teriam mais lucro se vendessem o óleo bruto, sem transformá-lo em biodiesel, mas possivelmente ainda teriam lucro com a conversão. A PBio não faz isso e acaba tendo um custo maior que as esmagadoras.  Por isso não pode comparar seus custos variáveis com o das usinas esmagadoras.

Dessa forma, se outras usinas venderam biodiesel no leilão da Petrobras ao preço de R$ 1,70 por litro com algum lucro ou empatando, isso não significa que a PBio consiga fazer a mesma coisa.