Pesquisa

Pesquisa da USP quer quantificar impacto da poluição no Rio e São Paulo


BiodieselBR.com - 10 dez 2012 - 09:17 - Última atualização em: 10 dez 2012 - 11:31
pesquisa USP_poluicao_101212
Estudos que visam quantificar o impacto de emissões veiculares nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro estão em andamento pela Universidade de São Paulo (USP). Os resultados ainda estão em fase de processamento e devem ser disponibilizados em meados de 2013.

“A pesquisa vai avaliar o impacto do diesel, do álcool e da gasolina nas duas cidades. Como o uso de biodiesel ainda é pequeno no Brasil, não será possível medir o seu impacto direto neste estudo”, explica Paulo Artaxo, professor do Laboratório de Física Atmosférica do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP).

Desde maio de 2011, há quatro estações de monitoramento em operação na capital paulista e outras tantas foram instaladas na capital fluminense, desde julho deste ano. A formação dos aerossóis é medida através de um dinamômetro, que monitora os gases que saem dos escapamentos, e medições atmosféricas.

O projeto, financiado pela Petrobras, vai identificar os poluentes emitidos dos carros e a relação de produção dos aerossóis, partículas responsáveis por 90% dos danos à saúde provocados pelas emissões veiculares. Estudos da Faculdade de Medicina da USP já revelaram que, só na capital paulista, ocorrem quatro mil mortes precoces por ano decorrentes da exposição aos aerossóis primários e secundários na atmosfera.

Califórnia
Em outubro passado, a Universidade da Califórnia publicou o resultado de um estudo semelhante, que comparava a produção dos aerossóis na atmosfera provenientes de veículos a gasolina e a diesel em São Francisco.

De acordo com a pesquisa, embora apenas 10% dos automóveis da cidade usem diesel como combustível, eles são responsáveis por mais de 60% das emissões desse tipo de partículas. Ao analisar a média dos Estados Unidos, onde o diesel corresponde a quase 30% da queima total de combustíveis para automóveis, a proporção aumenta para 80%.

Patrícia Herman – BiocieselBR.com