PUBLICIDADE
cremer cremer
Outros países

Indonésia está planejando adoção do B40


Fábio Rodrigues - 18 dez 2019 - 11:47

A Indonésia ainda nem adotou o B30 e já está de olho no B40. Segundo a agência de notícias Reuters, oficiais do governo em Jacarta já vislumbram que um aumento da mistura obrigatória poderá acontecer dentro de um prazo de até dois anos. Para tanto, já no ano que vem deverá ser lançada uma rodada de testes de motores destinada à validação do uso dessa nova mistura,

A Indonésia é o maior produtor de óleo de palma do mundo. Segundo estimativas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o país asiático deve fechar o ano com uma produção de 41,5 milhões de toneladas da commodity – isso representa praticamente um quinto de todo o óleo vegetal que o mundo deve produzir nesse período.

O aumento da mistura de biodiesel foi a forma que a Indonésia encontrou para dar sustentação aos preços de um de seus principais produtos agrícolas.

B30

No final do mês passado, o país completou uma rodada de testes de motores convocados pelo Ministério de Energia e Recursos Minerais para validar o uso do B30.

Segundo o governo indonésio os veículos que rodaram com B30 apresentaram performance “relativamente similar” em relação aos que foram abastecidos com B20, mistura que foi lançada no país no começo de 2016.

Platô

Pode ser que a escalada da mistura de biodiesel esteja perto de bater no teto. Segundo o ministro de Assuntos Marítimos e Investimentos, Luhut Pandjaitan, seria difícil para o pais ir além de B50 sem que ocorram novos investimentos no plantio de palma. “Podemos parar em B50 se a produção [da palma] não aumentar”, disse à agência de notícias.

Em 2017 a Indonésia lançou um programa replantio de palma com o objetivo de dobrar a produtividade de pequenos agricultores. A meta era substituir as árvores de 2,4 milhões de hectares até 2025. Nos dois últimos anos, contudo, só foram replantados 120 mil hectares.

Reação

Além de fortalecer seu mercado interno, a Indonésia está se preparando para se queixar compra a União Europeia na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na segunda-feira da semana passada (09) a Comissão Europeia confirmou que vai voltar a cobrar tarifas antidumping sobre as importações de biodiesel indonésio. A taxa vai vigorar pelos próximos cinco anos e variar entre 8% e 18% – o valor exato varia conforme o produtor.

A Indonésia exporta aproximadamente € 400 milhões em biodiesel para países do bloco europeu por ano.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com
Com informações Reuters, Bloomberg e Antara News