Em Foco

Fundo de Cingapura tenta investir em palma no Peru


Valor Econômico - 23 ago 2011 - 06:00 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

O fundo de private equity Asian Agri Capital, de Cingapura, está tentando levantar US$ 100 milhões para investir em plantações de palma e outras commodities tropicais no Sudeste Asiático e na América Latina. O Fundo para Agricultura do Pacífico pretende investir mais da metade desse dinheiro em plantações de palma no Peru, onde a agência das Nações Unidas para Drogas e Crimes tem apoiado a introdução de outras commodities como alternativa econômica à produção de coca.

Até 2009, o Peru tinha apenas 14 mil hectares de área plantada com palmas, segundo a Agência para Agricultura e Alimento da ONU (FAO). Na Indonésia, por exemplo, a produção atinge quase 8 milhões de hectares.

De acordo com Bill Randall, diretor-gerente do Asian Agri Capital, a ideia é continuar a investir na Malásia, segundo maior produtor de óleo de palma do mundo. O problema, segundo um relatório da Nomura Holdings, é que o país ficará sem terras para plantar a partir de 2020 - a Indonésia, outro grande produtor, tende a esgotar suas terras agrícolas em 2022.

Nos dois países, o plantio agressivo e preocupações ambientais limitarão a área disponível. "Investiremos parte dos ativos no Peru, e não no Sudeste Asiático, já que há muitas oportunidades lá", disse Randall, que passou a infância na Venezuela e fala espanhol com fluência.

Com o crescimento populacional de 85% das últimas quatro décadas, a demanda por óleos comestíveis subiu nove vezes. Em fevereiro, o óleo de palma atingiu a maior cotação em três anos, na medida em que a produção não atende a toda a procura.

De acordo com Randall, o fundo tem como meta um retorno de 40% a 60%, a partir do momento do aporte, no período de três a cinco anos. O fundo fará investimentos complementares em cacau e borracha na América Latina, onde pretende abrir o seu primeiro escritório na Colômbia, ainda este ano.

Tags: Dende Palma